segunda-feira, 31 de dezembro de 2018

Feliz Ano Novo e cartazes de conscientização para este período

O ano está acabando. Último dia. 








Como sempre, muuuitos pet`s precisando da gente. A novidade foram os gatos na minha vida, mais que cães. Continuo ajudando como madrinha, divugando cães para adoção nas redes sociais e blog ou, como sempre falo, os que cruzam meu caminho.

A novidade do ano foi a volta da CANDY, depois de 4 ANOS adotada. Agora é mais uma integrante da nossa família, pela idade e pelo que ela já passou nesta curta vida dela.







Coisas da vida de protetores, lidar com o desamor e irresponsabilidade humana. 
Como diz uma amiga minha, muito  querida, cada um - cada um



Fica a esperança de um ano melhor, apesar do retorno da venda de filhotes em vitrines em Floripa, mas vamos seguir lutando para que as lojas revejam suas posturas.
No reino Unido já é PROIBIDA a venda de animais e por aqui esse retrocesso. Bem que a gente podia evoluir menos lentamente, né?
De qualquer modo tenho muito que agradecer, sempre. 
Fiquem bem, com saúde e amor!

Um lindo 2019 para todos!




sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

Identifique seu pet!

SUPER IMPORTANTE, pois muitos fogem com medo dos fogos desta época. Não deixem seus cães com enforcadores!



quinta-feira, 27 de dezembro de 2018

Peço desculpa.

Peço desculpa, mas o sinal da NET anda péssimo em Floripa, impedindo que eu escreva por aqui. Espero que tenham tido um lindo Natal e que em 2019 eu possa escrever quando quiser e não quando e se houver sinal de internet.



domingo, 9 de dezembro de 2018

Nossa homenagem à Manchinha


Pertinente o poema abaixo.
Sem mais, sinto muito, tanto, tanto...   


Fica em paz, anjo!


Eis um link para o assassinato que chocou o mundo - clique MANCHINHA.









"É comum ouvir críticas a quem trata cachorro como se fosse gente. Concordo. Plenamente. 

Cachorro é cachorro, gente é gente.
Cachorro tem que ser tratado como cachorro – com respeito à sua fidelidade, ao seu caráter.
Porque cachorro não trai. Não mente.

Cachorro te ama pelo que você é, seja lá quem você for: ministro do Supremo, senador ou indigente. Cachorro não finge, não forja, não frauda. 
Cachorro só sabe o que sente.
Passa fome ao seu lado – e se não acha bonito não ter o que comer,
pelo menos não te chama de traste inútil, perdedor ou incompetente. Nem te dá uma pata na bunda e te troca por alguém mais atraente.


Cachorro não faz jogo de cena. Não guarda mágoa. Cachorro é emocionalmente inteligente. Perdoa sem que você tenha que implorar perdão. E, uma vez perdoado, o perdão é permanente.
Por que haveríamos de tratar um ser assim como se fosse gente?
Gente a gente também não deve tratar como cachorro. Porque não é qualquer um que merece carinho na barriga, cafuné na orelha, demonstração de amor sem motivo aparente.
Tirando o Mike Tyson, o Suárez e nós mesmos na hora do amor, gente não morde. Mas há outras formas de se cravar o dente.
No coração, no bolso, na alma. Por vezes com veneno de serpente. Gente fofoca, inveja, calunia. Te beija enquanto te entrega, e te odeia, sorridente.
Cachorro obedece, respeita, se submete. Mas só gente é subserviente. Gente ama com ressalvas, faz promessas que não cumpre. Só cachorro (e uma ou outra mãe) é que ama incondicionalmente.

Por que tratar como cachorro - que fica ao seu lado até a morte - alguém que te abandona de repente?
Não. É totalmente sem noção e incoerente tratar gente como se fosse cachorro - e tratar cachorro como se fosse gente. "

(Poema de de Sidney Eduardo Affonso, colunista)