sábado, 1 de setembro de 2018

Sofia, a lindamadafofa da titia - Parte II

Sofia, primeira semana comigo.
O início.
No começo dos anos 2000 a gente conhecia quase todo mundo da proteção animal de Floripa, ou já tinha ouvido falar. Hoje, com as redes sociais e a conscientização promovida por até então um pequeno grupo, são centenas de pessoas ajudando aqui e ali e a gente não sabe mais quem é quem. Não tem como conhecer todo mundo. Foi exatamente por não saber quem estava anunciando no facebook 3 cães de raça para adoção urgente que peguei a fêmea, meu foco nos resgates, para garantir a castração.
O caso era o seguinte: tutores se mudaram e deixaram 3 cães de raça na casa vazia, como parte da mobília descartada... normal por aqui 😓

Enfim, ela seria castrada de qualquer maneira pois a protetora era (é) responsável. Mesmo assim foi bom, pois a Sofia estava com 4 filhotes mortos dentro dela. Consegui perceber pois notei que ficava saindo um líquido escuro e mau cheiroso dela e ela sentia dores. Cuidar de cães resgatados em apartamento tem uma vantagem: você observa BEM, tudo. Xixi, cocô, cheiros, vômitos, essas coisas que, numa casa, se "perdem" no quintal. 
Enfim, corri pro vet e foi cirurgia imediata. 
se recuperando da castração

Infeccionada e com bebês mortos no útero, sem saber há quanto tempo, ela quase não resistiu à cirurgia. Tenho certeza que se não fosse numa clínica com toda a assistência possível (Clínica Vetrinária 3 Irmãos, do centro de Floripa), cuidados com anestésico e higiene, ela não teria sobrevivido. Fora o pós operatórios de uma cirurgia de alto risco. MUita medicação. Passamos um susto! Ela veio debilitada, claro.
Por isso foi impossível doá-la logo e ela foi ficando. Até achei que seria minha, pois 
de cara se deu super bem com todos os meus. Serafina adorou a Sofia. Nemo nem tanto. Ele ainda estava vivo quando ela veio para meu apto, em outubro de 2016 e ele tem muito a ver com a adoção da Sofia. Tudo a ver!
Por causa dele abri mão dela e já-já vocês vão entender o que tô falando.
com a amada Serafina



E assim ela foi ficando. 

Foi com a gente para a praia e, embora muitos a quisessem, ninguém era bom o suficiente. Eu já estava apegada nesse tisco de gente linda e querida, de personalidade forte, desprendida e carinhosa ao mesmo tempo. Séria para fotos, mas faceira que só ela. Louca por carinho. Um grude.
Exatamente por isso, por essa necessidade de ficar grudada, que eu sabia que a deixaria ir, assim que a adotante perfeita caísse do céu. 
E caiu.

E só para continuar o suspense, o post dela terá a parte 3. 
Aquela parte mística, o sopro dos anjos.
A melhor parte.
Era isso por hoje 💖👼.
Fotos de  @ficacaomigo