sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Espondilose animal - trate seu pet!



Minha filhota Fiona andava com dificuldade
de levantar e andar. Consequentemente,
estava tristonha e a gente logo percebeu.
Assim, a levei no médico veterinário que pediu
uma radiografia e o laudo apontou essa doença, chamada Espondilose. Compartilho com vocês o assunto, sempre firme no objetivo de ensinar tudo que aprendo sobre nossos anjos com asas nas orelhas. Sobre o tratamento, escreverei em outros posts  - Começou hoje
💕
Conteúdo, abaixo, copiado de Pet LoveEspondilose animal: o bico de papagaio - Petlove - O Maior Petshop Online do BrasilEspondilose  (hérnias de disco ou “bicos de papagaio”)  é uma doença degenerativa e proliferativa que ocorre na coluna vertebral. É caracterizada pelo aparecimento de novas formações ósseas, localizadas entre as vértebras, que formam “pontes” ósseas entre os corpos vertebrais. Essas “pontes” são formadas entre as vértebras torácicas, lombares e lombo-sacrais. Pode acometer cães e gatos e é mais frequente em animais mais velhos, quase idosos, sendo que também foi constata uma maior presença do problema em animais do sexo feminino.  Animais da raça Boxer têm apresentado essa doença com mais frequência e, nela, animais mais jovens também são acometidos.Acredita-se que possa haver alguma origem genética para a manifestação da doença, mas ao certo ainda não se sabe como ela começa e a sua causa. Os pets doentes têm como sinais clínicos a presença de dor quando é apalpado na coluna, claudicação (cãibra) em um ou mais membros, alteração de marcha (começam a andar diferente), ficam agressivos devido à dor e apresentam-se apáticos e tristes. Podem chegar a ter atrofia muscular dos membros posteriores, caso os osteófitos comprimam os nervos ligados à esses músculos.pet, com alteração de comportamento, deve ser levado a uma clínica para ser examinado por um médico veterinário, que, provavelmente, solicitará alguns exames, principalmente o Raio-X, para conseguir verificar o que está acontecendo e o grau de severidade da doença. Normalmente são realizados dois Raios-X, um ventro-dorsal e outro lateral, para poder se observar bem as condições e a formação das pontes ósseas.Em casos de muita dor, ou de compressão de nervos, a cirurgia precisa ser realizada. Caso o profissional não indique o procedimento cirúrgico, a administração de analgésicos será prescrita para aliviar a dor. É importante salientar que uma cirurgia, independente de qual seja, é sempre uma situação de risco, principalmente em animais idosos, pois podem não responder bem à anestesia. Por isso, deve-se conversar muito com o médico veterinário antes de optar pela mesma. Para tratar bem um pet idoso acometido por essa doença é importante colocar tapetes antiderrapantes pela casa, para evitar os escorregões do cão. Para que o animal chegue aos locais mais altos em que está acostumado, é necessário colocar escadas para cachorro para ajudá-lo. Pode-se optar pelas coleiras peitorais ao invés das de pescoço, pois são mais seguras para cães com lesão na coluna. Além disso, deve-se deixar os potinhos de comida e de água em locais mais altos, para facilitar a alimentação.  É aconselhável que o pet durma em camasde modo que fique mais confortável. Por fim, é preciso disponibilizar alguns brinquedos para que ele se distraia e fique feliz.