quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Depoimento (LINDO!) sobre os Bois de Forquilhas/SC


Mesmo só tendo ajudado  indiretamente (contribuindo com a "VAKINHA") no caso dos BOIS DE FORQUILHAS, eu deveria ter escrito sobre essa linda ação que está acontecendo aqui em Santa Catarina, graças aos incansáveis ativistas veganos e vegetarianos que assumiram a árdua tarefa! Foi muito lindo ver as pessoas articuladas para o salvamento do gado abandonado. Bem, contarei oportunamente, só que hoje me deparei com esse lindo depoimento e precisei compartilhar!  Leiam?

Bois de Forquilhas - São José Depoimento de uma das ativistas da operação Bois de Forquilhas. 

Gisele Priscila Alves  sentindo-se positiva.
11 hPalhoça.SC
Ainda não tá nem na metade dessa história e, apesar de toda energia pesada, os momentos de alegria estão superando tudo o que há de negativo.
Coisas que descobri, e momentos que me fizeram sorrir:

-Bois adoram coceirinha no pescoço;
-Em pouquíssimo tempo eles se tornam amigáveis, aceitam carinho, te cheiram e até te lambem igual cachorro;

-O olfato deles é mais apurado que o de cães;

-Existem mais veterinários veganos do que eu imaginei existir (veterinários que não comem seus pacientes, lindo isso, né?)

-"Comer igual a um boi" nunca fez tanto sentido pra mim, mas a quantidade de água que eles tomam, nao tá escrito! Hahaha...

-A relação mãe e filho desse animais é tao intensa quanto a dos animais humanos, basta um bezerrinho passar mal ha alguns metros da mãe que ela se desespera, muge, fica inquieta até a situação se resolver;
-Ver bezerrinhos fechando o olhinho pra mamar é tão doce quanto ouvir uma gargalhada de bebê humano.
-Chute de bezerro dói, e deixa hematoma por dias, estou tão tatuada de patadas que me convenci a fazer tatuagens de verdade;
-Bois não tem hora pra fazer xixi, nem pra fazer cocozinho, eles podem te sujar quando você menos espera;
-carrapatos são chatos, mas é um negócio bom de tirar, quase que um game, vira um desafio mental...
-Viramos experts em invadir terrenos de fazendas alheias, pular cercas (no sentido literal, jamais metafórico!), capinar capim.
-Nunca use tênis bom quando for andar por algum banhado;
-Espere a primeira pessoa passar, pra copiar o caminho que ela fez e não perder seu tênis mergulhado na lama cheia de cocô;
-Em qualquer resgate teremos mais críticas do que ajuda, mas muitas pessoas repensarão seus habitos e se inclinarão ao veganismo. Isso compensa. Isso basta! 
-Meditação, inteligência emocional e controle de estresse são fundamentais pra não deixar a indignação e a revolta tomarem conta...
-Uma semana é tempo suficiente pra mudar sua forma de pensar;
-Trilha noturna no meio da mata desconhecida e abaixo de chuva é possível, quando se tem pessoas engajadas no mesmo propósito, tudo se torna mais realizável;
-União realmente faz a força;
-Não temos o controle de tudo, não sabemos o rumo das coisas;
-As vezes erramos tentando acertar;
-Vida é algo tao delicado, acaba sem avisar, mais rápido do que imaginamos...
-Boizíneos brincam de guerrinha com cabeçadas!
-Não sou doida sozinha de querer sair pegando todos os animais que cruzam pelo caminho, tem mais doidos espalhados por aí... encontrei minha tribo -
Haha! 
"Tribo de vikings"...
Tribo que caça - caça vidas que podem ser salvas;
Tribo que pesca - pesca oportunidades e meios que possam contribuir com uma vida digna para animais não humanos;
Tribo que coloca a mão na massa e faz - Faz a diferença, na vida desses animais.
Tribo que cumpre rituais - Rituais de entrega e abnegação, por eles!
Porque se não pudermos fazer a diferença no mundo, faremos a diferença no mundo deles! 
Sim, o mundo está realmente despertando! #govegan