segunda-feira, 11 de julho de 2016

RESPEITO aos protetores de animais!

Um desabafo meu:
Você acha que todos os protetores são doidos, malucos? Por que? Por não conseguirem ignorar o que você consegue? Você não tem vergonha de tratar mal e desqualificar uma pessoa que faz o que raras fazem? Repense. Protetores não servem apenas para limpar cocô. Eles protegem vidas, desde a hora que chegam as suas mãos e até muito depois, pois se apegam e querem acertar a quem entregar o anjo que salvou. 
Tenha certeza de que é preciso ser forte, e não louco, para lidar com tantas maldades e 
  injustiças!

Você pode tratá-los a distância, mas trate com o carinho e respeito que merecem, ou faça melhor! Se você pedir ajuda a algum, procure ser, no mínimo, agradecido, uma vez que eles ajudam "de boa" dando seu bem mais precioso - seu tempo - e muitas vezes seu próprio dinheiro. Quantas pessoas fazem isso? Eles não ganham absolutamente NADA por ajudar. De novo: quantas pessoas você conhece que são assim? O texto abaixo, achei nos meus emails de 2011, mas o teor ainda é atual, infelizmente.

Enfim, quando puder, ajude.Se não for ajudar, não atrapalhe E lembre-se: Nunca ajude a difamar ou difame um protetor - é tremendamente desleal e injusto. 

Os  "loucos" da história do mundo, muitas vezes, eram apenas os justos ou visionários. 

Seres humanos podem ser cruéis como nenhuma outra raça, uma tristeza! 

*******

Texto sobre protetores, 

" Os protetores de animais podem arruinar uma carreira política. Podem condenar um produto ao fracasso e, até, causar enormes prejuízos à empresas que insistem em ignorá-los. Uma grande parte desse grupo de ativistas é formada por donas de casa. São mulheres que decidem o que comprar em seu lar e que, com o poder de mães, esposas e filhas, conseguem mudar a opinião – e o voto – da família.Para a felicidade daqueles que ignoram os apelos desse grupo, o movimento ainda não é organizado. Não existem lideranças nacionais com capacidade de mobilizar e de conduzir uma ação uniforme em território nacional. No dia que isso acontecer, senadores da República e até candidatos a presidente do país terão que estender tapetes vermelhos para eles.  

O mais impressionante nesse grupo, além do grande poder de mobilização, é outra característica muito singular: grana. Ou melhor, a falta dela. Em 25 anos de lida diária na causa ambiental, nunca vi um “movimento social” trabalhar sem ganhar. Pelo contrário. Creio que o grupo de protetores de animais é o único que tira do próprio bolso o financiamento para as suas causas.
Eles não são empregados em ONGs, não recebem salários, como a grande parte dos ambientalistas profissionais, não dispõe de financiamento público e muito menos recebem emendas de parlamentares. O dinheiro deles vem das “vaquinhas”, das “rifas” e dos trocados que conseguem juntar impondo-se algum sacrifício pessoal.Não existem estatísticas que mostram quantos eles são. E muito menos existem dados oficiais sobre quem eles são.


Mas uma boa dica para identificar um potencial protetor é reparar em alguns dos seus hábitos mais comuns: possuem animais domésticos, provavelmente mais de um. Nas redes sociais, seus álbuns de fotos sempre possuem a foto de um gatinho, de um cachorrinho, ao lado das imagens de suas famílias. Nas ruas, seu animal de estimação está quase sempre no colo, ou, se for grande, sempre ostentará um pelo brilhoso ou uma coleira da moda. Para esse grupo, não existe diferença social entre os animais. Os de “raça” e os “vira-latas” são iguais, nem mais, nem menos. " 

 Se alguém souber quem escreveu esse texto, me informe? Nunca apague a autoria de um texto, frase etc. É desleal e ilegal. Respeite  isso também!