quarta-feira, 13 de julho de 2016

A história de Momosa e a ilusão de um sítio, onde todos viverão felizes...

 Momosa, ou simplesmente MOMÔ, para adoção.
Assumi essa lindona em novembro de 2015. Seu primeiro nome foi Morgana. É lindo, mas como ela é uma alegre senhorinha, e eu já tive uma tigradinha idosa, achei que este nome cairia melhor. Porque ela é uma mimosinha mesmo! Ou Momosa, que é o jeito carinhoso de mimosa, enfim... to enrolando porque o que vou falar abaixo pode incomodar muita gente. 
Foto (linda!)de Simone Henrique. Tem um cartaz dela, abaixo, para compartilhar. Obrigada.

Ano passado, um senhor que cuidava de muitos animais num 
sítio , ficou doente. Além de doente, já está com mais de 80 anos. Ele tem muito amor por cães, o que o fez comprar um sítio onde os mantinha. 
Uma nobre alma.
Ter um sítio, ou chácara,  é  o sonho de quem começa na proteção. 
Depois de algum tempo, vira um pesadelo!

Com este senhor não foi diferente. Logo a comunidade viu, ali, um lugar de descarte de animais: - Ah, leva lá. ele gosta! ... sem culpas, nem cerimônia. Daí vocês podem imaginar a dificuldade de manter TODOS com saúde, e bem. Por isso, fim do ano passado foi realizada uma ação para a retirada dos cães de lá, a fim de poder "fechar"  o local, pois no lugar de cada cão que saia, apareciam outros. 
Aliado aos abandonos frequentes, cada dia este senhor podia ir menos lá, pois morava longe e os cães passam o dia sozinhos. Toda semana algum aparecia morto e as brigas entre os animais, por comida, uma constante preocupação. A sobrevivência, na carência, começou a se estabelecer. É  o que costuma acontecer, infelizmente. 
Pessoas cheias de boas intenções e amor por cães, tendo condições, acham que ajudam muitos mantendo um sítio onde cada dia cabe mais um. Se esquecem que são finitas e desconhecem, na maioria das vezes, que podem contribuir para o abandono, pela falta de caráter de quem não se apega e quer se livrar de um cão, como se fosse um fardo. Sem contar os próprios "amigos" que acabam explorando a pessoa. Assim, um homem de bom coração se vê no meio de um círculo vicioso, do qual vira refém. Até pedir ajuda ou alguém pedir, pelos cães,  pois esse tipo de lugar, idealizado como santuário, vira prisão, de humanos e animais. 
Onde tem muitos, a fome ronda, as despesas ficam incontroláveis e as doenças viram epidemia.
Saliento que o local não era de maus tratos, mas mesmo assim, longe do ideal uma vez que ninguém mora lá. Muitos morreram comidos pelos demais. A Lei do mais forte! Momosa veio de lá e tinha o tal do verme do coração. Provavelmente muitos de lá também tinham. De quem pegaram? Impossível saber. 
No meio desse ambiente hostil e insalubre, ninhadas e mais ninhadas foram descartadas quando o mais simples seria CASTRAR. Triste. 
Sempre alerto para o fato de que, normalmente, é o que acontece com o tão sonhado sítio, especialmente numa área com vizinhos, em bairros tranquilos. Uma hora os empregados somem, os amigos que iam ajudar, também, e a pessoa se vê precisando de ajuda. Pessoas também morrem. Ano passado uma senhora morreu e deixou 30 cães! Se você está começando proteção e já está com mais de 10 animais, veja se alguém assume todos na sua falta, pois se existe uma verdade absoluta é que somos finitos!
 Quer ajudar animais domésticos de forma eficaz e eficiente?  
Cobre ações dos Prefeitos para os animais de rua, CASTRE, adote e não compre vidas!
Conheço alguns locais com muitos animais onde são bem tratados, mas são raras exceções e, mesmo assim, quem cuidará deles na falta da pessoa?
Fotos do sítio que Momosa e outros saíram para tentar uma vida melhor, com uma família, 
graças ao acolhimento de várias protetoras de Floripa, sempre lotadas. Que tal adotar?