quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

9 maiores erros que acontecem quando adotam um gato

De Ronronar.com/ Imagens Ficacãomigo
Por favor adote um de nós - há tantos gatos abandonados ou em gatis, à espera da sua adoção. Há inúmeros gatos que precisam urgentemente do seu amor, mas antes de tomar essa decisão … tenha a certeza que lhe vai dar alimento, carinho, e bem-estar.
Adotar um animal é um grande compromisso, e não deve ser algo feito inconscientemente. Ainda que os gatos tenham a reputação de serem independentes, não significa que não tenha de cuidar e dar carinho para eles.Evite os erros que habitualmente são cometidos quando alguém decide adotar um gato, quer seja um dono de longa data ou o seja pela primeira vez. Se evitar estes 9 erros, os resultados serão: um gato mais saudável e feliz, um amigo para a vida, uma relação única como nunca experienciou.
1. Comprar um gatinho
Idealmente deve adotar e evitar comprar animais, existem inúmeros abandonados e em gatis, alguns até de raças mais conhecidas. Uma compra pode implicar uma “compra por impulso”, tal como compra uma t-shirt ou uns jeans – que pode devolver caso não goste. No entanto uns jeans não irão sofrer com a sua rejeição. Acolher um gato ou gatinho que fará parte da sua família, é algo completamente diferente. Por isso, antes de adotar um animal, pense que é algo a longo prazo, por vezes a mais de 20 anos, e que deve ser algo bem pensado.
2. Ignorar os custos de cuidar de um gato
Veja desta perspetiva: adotar um gato é muito parecido com adotar uma criança. Uma adoção será considerada irresponsável caso não tenha os meios financeiros para poder providenciar os cuidados necessários. Alguns gatis fazem a investigação sobre a pessoa, mas a realidade é que se não puder providenciar o cuidado necessário irá ter acabar com uma atitude irresponsável. É necessário que tenha a consciência que existem emergências, doenças, problemas, para os quais são necessários cuidados veterinários, por vezes mais dispendiosos que os básicos. É simples: prepare-se para dar ao seu gato o melhor cuidado possível.
3. Não esterilizar o seu gatinho
Todos conhecemos alguém que tem uma gata, e porque não a esterilizou acabou com uma ninhada de gatinhos, que por vezes não consegue cuidar, nem dar para adoção. Para além deste problema óbvio, mesmo que tenha uma gata que não sai de casa, ela ficará com o cio, e durante esse tempo irá miar muito alto, para que outros gatos a oiçam, para além disso a esterilização aumenta a vida de um gato, no mínimo, em mais 3 anos. Quando não se esterilizam os gatos machos eles acabam por cederem ao instinto de urinar em toda a casa para marcarem o território, ou de fugirem de casa e entrarem em lutas com outros gatos, apanhando doenças mortais, como a AIDS Felina (não transmissível a humanos).
4. Ignorar os tratamentos veterinários
Um gato pode morrer se ignorar alguma doença ou sintomas de emergência médica. Os gatos necessitam de algumas vacinas, necessitam de pelo menos um exame anual, e certamente necessitam de cuidados veterinários quando ficam doentes ou sofrem algum traumatismo. Escolha um bom veterinário!
5. Economizar na escolha da comida
Ao optar por uma comida de má qualidade, por questões financeiras, irá gastar nas visitas ao veterinário, ou na quantidade de comida extra necessária. Os gatos são animais carnívoros, e necessitam de uma boa fonte de proteína animal. Os gatos não necessitam de alimentos com cereais, especialmente milho, que é um ingrediente usado nas rações de baixo custo. Aprenda a selecionar uma boa comida de gato e a melhor marca que puder comprar. Verá que se o seu gato comer menos, mas alimentos de melhor qualidade, ele irá ser mais saudável, e o custo será bem menor. Isto porque o gato não sentirá a necessidade de comer muito, devido a não ter os nutrientes necessários, nem ficará tão doente.
6. Permitir que o seu gato ande na rua sem controle
Embora muitas pessoas pensem que um gato deve andar fora de portas em liberdade, existe também o facto de muitos gatos serem muito felizes dentro de portas. Os gatos que andam livremente na rua estão sujeitos a inúmeros riscos que um gato dentro de casa não está. Riscos como atropelamento, rapto, doenças mortais, ferimentos, crueldade são alguns dos motivos que deve considerar quando pensar em deixar o seu gato livremente na rua. Opte por compromissos, como usar uma trela arnês para passear o seu gato, com o tempo ele habitua-se e será um bom compromisso.
7. Negligenciar a limpeza da caixa da areia
Um gato usa constantemente a sua caixa de areia - caso esta seja mantida limpa, e se não tiver nenhuma textura desagradável para as suas patas. Garantir que a areia é mudada frequentemente e que remove os dejetos diariamente, garantirá que o seu gato faça as necessidades sempre dentro da caixa. Caso o seu gato comece a urinar fora da caixa da areia, sem motivo aparente, deve levá-lo ao veterinário, pois pode estar a sofrer de problemas graves do trato urinário.
8. Considerar um gato como uma propriedade
Ao conhecer a comunidade de apaixonados por gatos, verá que todos tratam os seus felinos como um elemento da família, em vez de “um animal”. A lógica é esta: é tão proprietário de um gato como de um ser humano. Se ainda não sabe isso, rapidamente o seu gato lhe irá ensinar. Na realidade muitas pessoas que têm gatos, afirmam que o gato é o seu dono.
9. Não deixar o seu gato ser um gato
Um gato não é um bebé nem uma criança, e também não é um cão. A forma de ser de um gato é o que o torna… num gato. Os gatos são instintivamente desobedientes; ele procuram locais acolhedores como roupeiros, ou altos como a parte de cima dos armários, ou superfícies para arranhar as unhas. Tudo isto acontece não porque os gatos são teimosos ou desobedientes, mas porque são apenas gatos. O nosso papel como seus donos é de os acolher, aceitar e incorporar todos esses comportamentos na nossa realidade.Matéria original,  clique aqui