terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Nossa responsabilidade, sem dúvida.

 Adoro esta página:  Espiritualidade dos Animais
O texto abaixo é deles, mas eu vivo falando o mesmo. Vale a pena ler. Sei que prometi as novas fotos e fatos das meninas resgatadas, Sara e Maricotinha, mas a semana está correndo e este texto eu tinha que compartilhar aqui, pois Facebook é bacana, mas pode ser que eu nunca mais ache esse texto de novo. Aqui facilita a leitura. 



*DOMESTICAÇÃO DE ANIMAIS: BENEFÍCIOS e RESPONSABILIDADES*


Se hoje há tantos animais na rua, é porque o ser humano os domesticou e os tirou de seu habitat natural, onde a natureza se encarregava de sua sobrevivência e de seu controle populacional.

Fizemos isso, no passado, por comodidade: para tê-los como companhia, para proteger a casa, para caçar ratos, etc. Apenas visamos NOSSO bem estar.

A domesticação em si não é condenável. Auxilia o animal, enquanto espírito em evolução, que caminha rumo à humanidade. Sendo os humanos seres sociáveis, o contato animais/humanos lhes proporciona ampliar sua consciência, desenvolvendo seu lado social, relacionamentos e sentimentos de amor, fraternidade, dentre outros.

No entanto, o erro da domesticação praticada por nós foi esquecermos de que, ao domesticarmos uma espécie, teríamos TAMBÉM de ter arcado com nossas RESPONSABILIDADES perante ela, o que inclui evitar sua procriação descontrolada, que, dentre outros, acabou por ocasionar tanto abandono nas ruas.

É urgente corrigirmos esse nosso erro, acolhendo os animais de rua, tanto quanto possível, e, ainda, sendo responsáveis por seu controle populacional por meio dos recursos que a Ciência nos oferece (castração).
-------------------------------------
Referência: O LIVRO DOS ESPÍRITOS

Q.693.a – Há espécies de seres vivos, ANIMAIS e plantas, cuja reprodução indefinida seria prejudicial às outras espécies e das quais, em breve, o próprio homem seria vítima. Seria repreensível deter essa reprodução?

Deus deu ao homem, sobre todos os seres vivos, um poder que ele deve usar para o bem, mas não abusar. Ele PODE regular a reprodução segundo as necessidades, mas não deve entravá-la sem necessidade. A ação inteligente do homem é um contrapeso posto por Deus entre as forças da Natureza PARA RESTABELECER-LHE O EQUILÍBRIO.