sábado, 28 de junho de 2014

FRED e seu OTOHEMATOMA











Tadinho do Fred. Muita gente o conhece em Floripa. Ele é o cão bonachão e alto astral, amiguinho do Totó, na ho$pedagem da Sônia. Este mês seu ouvido o incomodou bastante, por conta de um otohematoma que tentamos tratar com drenagem. Não adiantou. A causa foi uma otite. Resultado: retirada cirúrgica mesmo. Eu nunca havia tido este problema com meus resgatados, portanto, não sabia bem como tratar. Encontrei o artigo abaixo que achei bem completo sobre o tema. Assim, compartilho mais este conhecimento com vocês. Agora é esperar que o fofo se recupere e pare se sentir dor. Por enquanto ele ficará com este capacete. Ninguém merece, né? Amar é, também, cuidar! 

Otohematoma -Saúde Animal


Publicado em  por r


Otohematoma é o acúmulo de sangue na cavidade auricular (orelha). Ocorre em cães, especialmente nas raças com orelhas caídas e compridas. A causa mais comum é trauma e ruptura de um vaso sanguíneo dentro da orelha (aurícula). A aurícula pode se encher completamente de sangue quando envolve um vaso sanguíneo importante ou pode se distender parcialmente quando vasos menores são rompidos. A cavidade auricular é muito vascularizada e as chances de um vaso se romper devido à um trauma forte é muito grande.

As causas mais comuns de trauma à orelha envolvem batidas contra móveis ou qualquer outro objeto, mordida por outros cães, batidas contra outros cães enquanto brincam, mas também podem estar associados à doenças como otite externa, interna ou tumores. É importante examinar bem a orelha e o canal auditivo para tratar a causa primária e não somente o hematoma.
Algumas vezes o acúmulo de sangue é tão intenso que a cavidade auricular pode obstruir o canal auditivo. O peso extra gerado pelo hematoma gera muito desconforto, dor, inflamação e pode causar mudanças permanentes à cartilagem auricular deformando a orelha. Por isso é recomendável tratar o mais cedo possível.
Existem diversas maneiras de se tratar o otohematoma, todos eles, no entanto, devem ser feitos pelo seu veterinário pois envolve drenar o sangue acumulado dentro da cavidade auricular e controlar o sangramento. Um dos procedimentos mais simples é a drenagem utilizando uma agulha conectada a uma seringa para remover todo o sangue acumulado. Infelizmente este procedimento raramente controla o sangramento e em poucas horas a cavidade auricular se enche de sangue novamente.
O tratamento de preferência é a drenagem cirúrgica. Existem diversas técnicas, mas a mais comum é a incisão da porção interior da cavidade auricular. O hematoma é drenado e os coágulos de sangue formados no interior da cavidade auricular são removidos através da incisão. Para prevenir com que o hematoma se forme novamente, várias suturas são aplicadas ao redor da incisão com o intuito de unir a cartilagem auricular anterior e posterior causando a redução do espaço a ser preenchido novamente por sangue e também gerando pressão contra vasos que possam estar sangrando e contribuindo para formação do hematoma.
Algumas vezes é necessário colocar bandagens ao redor da orelha para manter o espaço entre as cartilagens auriculares reduzido sem dar chances para novo acúmulo de sangue. As suturas são geralmente não absorvíveis e permanecem no local por várias semanas antes de serem retiradas.
O otohematoma, quando presente, deve ser tratado no início do processo para evitar a formação de fibrose que resulta na deformação da orelha. Procure por atendimento veterinário sempre que você notar que a orelha do seu cão está inchada (como exemplo na foto). Não há muito o que se possa fazer para evitar o hematoma secundário ao trauma. Como a otite pode ser um fator importante, é recomendável manter as orelhas do cão limpas e livres de infecção.
Fonte: http://gazetanews.com/colunas/otohematoma-saude-animal/

Angelina tem um pedido




quarta-feira, 25 de junho de 2014

Malucos?

Tem pessoas que expressam, num cartaz, o que teóricos escrevem exaustivamente. Admiro quem tem este talento. O cartaz abaixo merece uma reflexão. Protetores sofrem muito com alguns rótulos, afinal, o mundo é preconceituoso, infelizmente.

                                                      


quinta-feira, 19 de junho de 2014

Natalidade & Abandono








O que a "cria" do SEU cão tem a ver com abandono? 
T U D O! 
Cada vez que você deixa seu animal cruzar e ter filhotes, alguns de rua deixam de ser adotados. Por favor, leia, informe-se. Você quer um descendente do seu por quê, com tantos por aí ansiosos por um lar? Vamos pensar no todo? 
 A solução é EDUCAÇÃO + CASTRAÇÃO. 

Quem é consciente ESTERILIZA!

Campanha COMPRE UMA CASA NOVA PARA SEU PET!

Compartilhe esta ideia? Vários pedidos de casinhas para animais de famílias carentes. Para doar  em Floripa, ligue (48) 9636.3547 ou entre em contato pelo email ficacaomigo@gmail.com. Obrigada.


quarta-feira, 18 de junho de 2014

Humilhação sem limites!

Hoje li, na página do MOVE Institute for the Animas, a frase abaixo. 
Breve e certeira. CONCORDO.
Façam isso. NÃO visitem locais que exploram os pobres anjos, por favor. 
Só de ver esta foto me embrulha o estômago! 

"Nestas férias, não adquira pacotes turísticos que incluem apresentação com animais. Todos eles sofrem torturas inimagináveis para se tornarem os "bobos da corte".   
Humilhação e desrespeito. 

Você tem escolha, os animais não."







segunda-feira, 16 de junho de 2014

domingo, 15 de junho de 2014

ONDE ESTÃO VOCÊS?

Depois que aprendi a fazer cartazes poderei ajudar mais alguns anjos. Hoje foi a vez de divulgar alguns que doei e que estão pela ilha, em algum lugar (?).


A gente resgata, cuida, castra, perde tempo e dinheiro e fica com o emocional no chão ao constatar a maldade humana e a quantidade de omissos no mundo. Daí a gente doa e acredita, de coração, na palavra das pessoas. Que vão cuidar, amar, blá blá blá. Um belo dia você liga e sabe que o cão está em algum lugar ignorado. Como foi? Quando foi? Nenhuma notícia. E todo seu empenho é despedaçado, ignorado, desqualificado. Dói. Sei da história de cada um dos anjos abaixo, os tratei com amor  e repeito, fiz o que pude e todos foram entregues acreditando nos humanos que os adotaram. Só eu ainda os procuro e não desistirei. Por favor, quem souber notícia sobre algum deles, me informe? Se você adotou algum eu não pegarei de volta, só quero saber ONDE e COMO estão. Se você está com algum deles e NÃO quer, eu cuidarei de novo! Esta é uma das razões pela qual não pretendo mais resgatar. A gente vai ficando com medo de doar. Dificulta a vida. 
Bem, me disseram que a Lalinha morreu atropelada, mas eu fui no mercadinho, cujo atropelamento se deu em frente, e garantiram que não era ela. Continuo procurando. Pirata foi o único que foi adotado no município de Palhoça. Lindo e fácil de reconhecer, com 1 único olho azul piscina e tigrado preto e cinza. Espero notícias ! Obrigada por me ajudarem na busca e compartilharem este cartaz.




Como carregar um cão corretamente

Como a gente faz coisas erradas por desconhecimento, né? O cartaz abaixo não tem autoria, quem souber, por favor, me informe. Obrigada e vamos tentar não machuca-los daqui pra frente?


sexta-feira, 13 de junho de 2014

12 alimentos que podem matar o seu cão (por Rita Porto)

12 alimentos que podem matar o seu cão  
12 alimentos que podem matar o seu cão
Se tem algum amor pelo seu animal de quatro patas – aquele que ladra – há certos alimentos que não lhe deve dar. O Huffington Post fez uma lista dos ingredientes que podem ser fatais para o seu cão:
1. Chocolate

O chocolate é um dos 'clássicos' alimentos que faz mal aos cães, portanto, o melhor é não deixar tabeletes ou bolos de chocolate em locais acessíveis ao seu animal.
O que contém: O chocolate tem cafeína e teobromina, que entram na categoria do composto xantina. Diz-se que “quanto mais negro o chocolate, mais perigoso”, isto porque o chocolate branco quase não contém xantina, logo é menos perigoso.
O que provoca: Quando um cão come chocolate pode vomitar, ficar desidratado, ter dores abdominais, ficar muito agitado, ter um ritmo cardíaco irregular, aumento da temperatura corporal, convulsões e pode mesmo morrer.
2. Leite

Toda a gente sabe que o primeiro alimento de qualquer cachorro é o leite materno. Mas, tal como os seres humanos, estes animais podem ser intolerantes à lactose.
O que contém: Leite tem açúcar e os cães não têm enzimas para o processar.
O que provoca: O consumo de leite pode provocar vómitos, diarreia e outros problemas intestinais. Pode não colocar a vida do cão em perigo imediato, mas pode deixá-lo exposto a várias bactérias e, consequentemente, provocar uma doença.
3. Queijo

Queijo também é um alimento a evitar dar.
 O que contém: Tal como leite, o queijo tem açúcar e componentes gordurosos que as enzimas dos cães não têm capacidade de processar.
O que provoca: Queijo e outros produtos lácteos podem causar vários problemas se consumidos em excesso e, quando isso acontece, podem provocar gases, diarreia e vómitos, entre outros.
4. Cebola

Apesar de a cebola ser utilizada em grande parte dos pratos da comida portuguesa, este é um ingrediente que pode fazer mais ao seu cão do que pô-lo a chorar.
O que contém: A cebola contém vários componentes que podem fazer mal ao seu cão caso seja consumida em demasia.
O que provoca: Este alimento pode danificar as células vermelhas fazendo com que os animais fiquem mais fracos e mais parados. Se comerem muitas cebolas podem mesmo chegar a precisar de uma transfusão sanguínea.
5. Nozes de macadâmia

Esta é uma das mais recentes descobertas: as nozes de macadâmia podem ser extremamente prejudiciais para a saúde dos cães.
O que contém: Ainda não se sabe bem que químicos é que se encontram nestas nozes, mas sabe-se que causam reacções tóxicas nos cães se forem ingeridas.
O que provoca: Os animais podem ficar fracos e incapazes de andar – as patas traseiras ficam particularmente afectadas. Vómitos, um andar cambaleante, depressão, tremores e hipotermia são outros dos sintomas.
6. Alho

O melhor mesmo é tratar o seu cão como se fosse um vampiro e mantê-lo afastado dos alhos.
O que contém: Aqui aplica-se a mesma regra do chocolate: Quanto mais ‘forte’ é, mais toxinas contém. O alho é da família da cebola, mas é ainda mais perigoso para os cães porque tem componentes mais tóxicos: um alho pode provocar mais danos que 30 gramas de cebolas.
O que provoca: Apesar do efeito do alho nas células vermelhas só aparecer passados alguns dias, os cães ficam cansados e relutantes em se mexer. A cor da urina pode ficar desde laranja e até vermelha escura e, tal como as cebolas, pode ser necessário uma transfusão de sangue.
7. Uvas
As restrições das uvas são semelhantes às das nozes de macadâmia.
O que contém: Também não se sabe exactamente que químicos e componentes têm as uvas que provocam toxicidade nos cães, mas o consumo deste fruto pode ter um efeito devastador.
O que provoca: As uvas e as passas podem causar falência renal. Ainda que varie de cão para cão, esta pode não ser uma doença sintomática. Para além de falência renal, estes animais podem também ficar a vomitar, com diarreia, sem energia e podem ainda ficar desidratados e com falta de apetite. A falência renal pode levar à morte do animal ao fim de três ou quatro dias.
8. Abacate

Guacamole para o seu amigo de quatro patas? Não é muito boa ideia.
O que contém: As folhas, o caroço, a casca e o próprio fruto têm uma toxina chamada persina.
O que provoca: Algumas variedades de abacate podem ter um efeito tóxico nos cães. Podem ficar com o estômago sensível, com dificuldades respiratórias, com líquido no peito mas o mais perigoso é mesmo o caroço do abacate. Uma vez que é escorregadio, pode ser acidentalmente engolido pelos animais e pode provocar obstruções no trato gastrointestinal.
9. Talo da Maçã

A maior parte das pessoas evita comer o talo das maçãs mas é algo bem mais tóxico para os cães do que para os seres humanos.
O que contém: O talo das maçãs – tal como o dos pêras e os caroços das ameixas, pêssegos e damascos – têm glicosídeos cianogénicos, ou seja, cianeto.
O que provoca: Alguns dos sintomas de ingestão desta toxina são as tonturas, dificuldades em respirar, convulsões, desmaios, hiperventilação, choque e até mesmo coma. 
10.    Massa fermentada crua

O pão pode engordar tanto seres humanos como cães, mas o que é mesmo perigoso para estes animais é massa crua do pão.
O que contém: A massa crua pode fermentar no estômago do animal, tornando-se tóxica
O que provoca: Para além da toxicidade do álcool ser produzida no estômago, a massa fermentada no estômago ou intestinos de um cão pode gerar uma grande quantidade de gases, que pode provocar fortes dores e eventualmente causar uma ruptura intestinal.
Também podem sofrer de vómitos, desconforto abdominal e letargia.
11.    Cafeína

Ninguém no seu perfeito juízo daria café a um cão (certo?) mas ainda assim, o melhor é mesmo manter o seu animal afastado tanto de café como de qualquer tipo de cafeína.
O que contém: O café contém um estimulante conhecido como xantina.
O que provoca: A xantina estimula o sistema nervoso dos cães, provocando vómitos, agitação, palpitações até morte.
12.  Bacon

Por mais apetitoso e cheiroso (tanto para nós como para eles), não partilhe esta comida com o seu cão – nem mesmo às escondidas!
O que contém: As comidas ricas em gorduras, como bacon, podem provocar uma pancreatite. Depois de desenvolver esta doença, o pâncreas fica inflamado e pode começar a não funcionar correctamente.
O que provoca: Podem causar uma série de problemas na digestão e na absorção de nutrientes.

quarta-feira, 11 de junho de 2014

Anote na agenda: Fim de semana cheio!

Três eventos de ONG`s de Foripa/SC, neste fim de semana. Dois deles de ADOÇÃODivulgue, participe ou ajude. Não fique de fora!  Doações de roupas, rações e casinhas são bem vindas a todas!