quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Mais uma belíssima história de amor animal. Imperdível

Recebi o link  para esta linda matéria da  protetora Antônia Alves. A meu ver, não tem a divulgação que o caso merece. Me emociono com pessoas assim. Numa época em que o amor não basta para resolver problemas, ver uma dedicação assim me comove. Parabéns JOÃO e esposa pela generosidade de vocês. É de pessoas assim que o mundo precisa, que não temem o trabalho, por amor ao ser que de vocês dependem. Exemplos como este me confirmam que a humanidade ainda tem salvação. Por bem menos que isso devolvem cães adotados mas seguimos sempre na esperança de encontrar os verdadeiros humanos, cujas ações valem mais que as palavras...


26 de outubro de 2013 -   Paulo Simões
Paulo Simões
Foquinha mudou a vida de João
 
A cadela Foquinha nasceu sem as patas dianteiras, numa residência no Rio Vermelho. Quando ouve alguém dizer que ela teve sorte ao ter nascido próxima de seu carinho, o gaúcho de Porto Alegre João Hoffmann discorda e se emociona: "Quem teve sorte foi eu: ela mudou minha vida pois me ensinou a ser mais tolerante e paciente. Foi um presente", celebra o homem, que carrega Foquinha para todo lado, de carona numa cesta presa atrás do banco da bicicleta.

Encontrei-os na Constru R’S Materiais de Construção, a loja em cujo pátio mora o lagarto teiú Quirido, cuja história também já contei nesta seção.
Cruza de um pinscher com uma dachshund ("linguiça"), a filhotinha não conseguia mamar. A falta das patinhas dianteiras a deixava em desvantagem na hora de disputar com os irmãos as tetas da mãe. Era empurrada, pisoteada e não conseguia alimentar-se. Apesar de muito chocado com a terrível deficiência do animal, João não teve dúvida de que aquele acontecimento era uma missão colocada em sua vida por algum motivo insondável. E resolveu fazer o que fosse preciso para criá-la, numa nova rotina que exigia atenção total dele e da esposa com a frágil cadelinha. Foram tantos meses dando mamadeiras de leite especial de três em três horas, que depois de um tempo João acordava automaticamente nos horários certos das mamadas.
Depois de vários exames ocorreu outro grande choque: os veterinários detectaram problemas cardíacos insanáveis, anunciando uma expectativa de vida de não mais do que um ano para Foquinha.
João não se abalou. Ele tomou o diagnóstico como um novo desafio para aumentar ainda mais os cuidados, a dedicação e carinho com a sua amiga. Ele e a esposa reservam uma verba especial do orçamento doméstico para os remédios de uso contínuo para o coração e a ração especial, cujo preço é bem superior às melhores do mercado. Eles também criaram uma proteção de tecido para o peito da Foquinha, pois em algumas situações ela se machucava, ao arrastar-se. E todo dia vem uma recompensa, porque a adorável Foquinha já comemorou seis anos de vida.
A ideia do nome surgiu quando ela começou a andar, sobre as patinhas traseiras, balançando o corpo como uma foca. Ela é muito alegre e faz festa para todos que se aproximam, conhecidos ou não. João tem que ser rápido para segurá-la, pois já aconteceu de ela cair da cesta, na agitada ânsia de receber e retribuir o carinho das pessoas.
Um caso verdadeiro de amor a um animal!