sexta-feira, 3 de maio de 2013

A história do RANGEL, para adoção em Floripa/SC

Este lindo aqui ao lado é o Rangel. Vocês terão oportunidade de saber tudo sobre o resgate dele no relato abaixo. Não foi nada  fácil...Ele foi mais um que encontrou uma boa alma no caminho! Está a salvo mas ainda esperando seu adotante. Até já ligaram várias pessoas que pareceram bacanas mas nenhuma tem as condições que consideramos adequadas para adotar. Uma das coisas mais impressionantes é uma pessoa morar em apto alto e "achar" que não precisa TELA de proteção. Oi? como? Gente, é o mesmo que aquelas pessoas que andam de carro com o cachorro "pegando vento" na cara, como se ele não fosse pular (fora as otites). Um dia pula e ??? É, somos exigentes sim. Com experiências ruins no passado, aprendemos.
Enfim, a lindamada da Mari me  mandou umas fotos maravilhosas e o texto abaixo para ver se sua/seu adotante se sensibiliza e o adota.  O Rangel já está castrado, é um luxo e precisa de adotantes idem. VOCÊ ? Para adotar o Rangel ligue prá Mari 48. 84081813 ou 96104425. Quem quiser que eu publique algum resgate ou adoção, por favor escreva para ficacaomigo@gmail.com.  Vamos ao relato:

A História do resgate do Rangel, por Mari Machado:

"Certo dia ouvi um miado desesperado de gato que parecia vir de um condomínio próximo ao meu. Como o miado vinha com eco, achei que se tratava de um gatinho recém-adotado que ainda não estava acostumado a ficar sozinho.
Durante a noite o miado continuou e comecei a ficar realmente  preocupada. Liguei para uma colega de trabalho que reside nesse outro condomínio. Ela  falou com o zelador  que confirmou que havia um gatinho andando pelo condomínio há dois dias. Fiquei apavorada! Um bebê sem comer ou beber direito por dois dias? Miando desesperado? Como tenho gatos sei muito bem como é quando estão com medo.
Minha colega avisou que eles esperariam o síndico chegar pra ver o que iriam fazer só que situação pedia ação e eu não poderia aguardar . Assim, qdo  meu marido chegou fomos juntos lá levar ração. Chegando lá, infelizmente,  constatei que não queriam me deixar entrar nem  pra dar comida pro gatinho. Liguei pra minha colega e pedi pra ela permitir minha entrada no prédio para resgatá-lo. Quando entrei e o vi meu coração ficou apertado.   Ele era MUITO pequenininho pra passar pelo que estava passando. Tinha no máximo uns 2 meses... um bebezinho!   Coloquei ração no potinho que eu havia levado e comecei a tentar me aproximar dele. Estava muito assustado, muito magro e  a-pa-vo-ra-do! Comecei a questionar se conseguiríamos pegá-lo.  Vendo nossas investidas, um morador do prédio passou a nos ajudar. O nome do Rangel é este em homenagem a única pessoa, num condomínio inteiro, disposta a ajudá-lo (além de nós, obviamente).  Depois de  entre os espinhos da cerca viva ele desceu para os fundos do prédio, de onde o ouvia miar,  do meu apartamento. Lá atrás há as piscinas e várias arvorezinhas, onde ele provavelmente se escondeu e ficou bem quietinho. Percorremos todo o espaço e nada! Não o encontramos mais e desistimos. Frustrada, resolvi ao menos deixar ração e água pra que ele dormisse sem fome naquela noite. Já estávamos indo embora, nos despedindo da minha colega e do outro morador que nos ajudou, quando ouvimos um barulho de algo caindo na água!  Adivinhou? Era o gatinho que, ao se assustar com um de nós passando perto do arbusto onde ele se escondia, tentou fugir e caiu na piscina! Foi um corre-corre mas conseguimos pegá-lo e o enrolamos no  meu casaco pra  que eu conseguisse tirar meu dedo dos dentes dele (hehe)...é claro!.. ele me mordeu. Mesmo assim conseguimos coloca-lo na caixinha que havíamos trazido. Naquela noite o Rangel dormiu quentinho, de barriguinha cheia e ficamos muito felizes por ele ter caído na piscina, do contrário acho que nunca o teríamos resgatado!  Aqui em casa inicialmente ele ficou num quarto sozinho, pra poder descansar bastante e se tranquilizar, longe dos nossos três filhos felinos.

Com o passar dos dias percebemos que o pobre anjo realmente tinha sofrido algum trauma, pois tinha muito medo de humanos. Só  interagia com os nossos gatos.  Atualmente ele vive grudado no Laranjo, que é nosso gato mais novo. Onde o Laranjo vai, lá vai o Rangel, com seu miadinho ainda de neném, aprendendo a falar.  Brinca o dia todo, ganha banho, toma sol e realmente curte muito mais a companhia dos gatos do que a nossa. Achávamos que com o tempo isso mudaria, mas até hoje isso não aconteceu. Ele ainda é muito desconfiado de gente.  Fica junto quando vemos filme, dorme na cama  mas tem medo quando tentamos fazer carinho ...Por este motivo gostaríamos muito que o Rangel encontrasse um lar seguro e amoroso, com tutores pacientes e onde pudesse ter um irmãozinho ou irmãzinha. Acreditamos que deva gostar de cães também." 

Enfim, a Mari bateu muitas fotos fofas enquanto cuida dele e eu  aproveitei para fazer uns cartazes de conscientização para compartilharem. Tem muitas outras ainda, todas lindas. Deixo estas de presente na esperança que sua história e fotos o ajude a encontrar seu/sua adotante. Um responsável. Boa sorte Rangel !