terça-feira, 26 de março de 2013

Lindo relato de Angela Poliana sobre Matilda

"Esta é a Matilda. O serzinho responsável por me apresentar às necessidades dos animais abandonados. Amor por eles eu sempre tive, apenas precisava aprender algumas coisas. Antes dela, eu nunca tinha parado pra pensar que existiam animais que precisavam de ajuda. Para mim, vê-los nas ruas era "normal", pois eu não os via sofrendo, "apenas" os via abandonados. Bom, comecei oferecendo lar temporário e essa era a fofa que precisava de abrigo. Eu não tinha visto fotos nem nada, apenas queria ajudar e ela veio para minha casa com outra cachorrinha. Eu estava totalmente certa que ela ficaria na minha casa somente até que fosse adotada, e isso não demorou. Foi menos de 1 mês até que uma família se encantasse por ela. Foi aí que meu desespero e minha dor começaram. Eu simplesmente não queria e não podia perdê-la. Ao mesmo tempo em que eu não achava certo dizer à família interessada que não queria mais entregá-la, não queria que ela saísse da minha casa. Enfim, ela foi! E com ela um pedaço de mim. Passei uma semana inteirinha chorando, sem comer e imaginando se ela estaria sendo bem cuidada como era na minha casa. Ela tinha uma casa só dela (eu morava em apartamento), um quintalzão enooorme e um irmão humano maravilhoso e super educado. Além de uma mamãe cheia de amor e um pai perfeito. Era a família dos sonhos que buscamos para esses anjos. Mas a Matilda era MINHA alma gêmea e ficamos as duas doentes. Matilda não comia, não brincava e não abanava o rabo. Perdeu pelo, sua pele encheu de pipoquinhas e ela ficava num cantinho sem se mexer. Sobre o meu estado nem preciso comentar, pois eu não fazia mais nada a não ser pensar na minha pequena. Quando a adotante me ligou preocupada pois a Matilda tinha literalmente entrado em depressão, eu não pensei duas vezes e fui buscar minha pequena. Chegando ao local, pude ver que ela foi MUITO amada por aquela família, mas que ela era minha e eu era dela. Chegando em casa, na NOSSA casa, ela comeu, brincou e dormiu tranquila e eu me senti completa novamente. São quase 3 anos de companheirismo, ciúme, carinho, broncas, móveis e objetos destruídos, quintal com buraco, xixi onde não deve, brigas com os irmãos e principalmente MUITO AMOR. Nem Matilda nem eu entendemos como as pessoas podem se desfazer de seus animais como se eles fossem objetos, como podem não criar vínculos com esses animais, como podem não criar amor... A Matilda é uma coisa mesmo. Mas é a MINHA coisinha e é a coisa que levarei comigo até o dia em que ela terá que partir e eu espero do fundo do meu coração, que seja bem velhinha e caduca, pois quero minha filha do meu lado sempre!Agora fala sério... Minha família não é super feliz?! Todos os meus filhos têm sorrisos liiiiindos assim! E são famílias que façam esses animais sorrirem que buscamos. E que os amem e os respeitem. É isso que a Matilda e eu desejamos =) " 

Eu tive que divulgar também esta história, com a permissão da Poli. Parabéns querida por se render aos encantos da Matilda e por ser a pessoa sensível e proativa que você é ! A proteção animal tem muito a te agradecer pelos ensinamentos da página ADOTE UM PATUDO FLORIPA, no Facebook. 
Beijux à família e claro, um carinho na barriga da Matilda.