quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Despedida: VENDE-SE UM SOFÁ. URGENTE!

Abro o Face e dou de cara com este texto lindo, sofrido, emocionante e divido com vocês.
Sinto muito, Tânia Zink Cunha. 
Só posso dizer que a Lolinha conheceu o amor e foi uma cadela MUITO sortuda, já que muitos  nunca saberão o que é isso, pois nem alguns humanos sabem. Sinto muito pela perda, mas elas são inevitáveis...

VENDE-SE UM SOFÁ. URGENTE!
Minha amada filhinha,
Só agora respondo tua cartinha.
Hoje chegou o dia em que nos deixaste.
Dou mais uma volta na sala e olho para o sofá.
Não estás mais lá.
Teu lugarzinho cativo.
Onde deste teu último suspiro há poucas horas atrás.
Como sou muito egoísta, cá estou eu, chorando em bicas.
De pura saudade, já.
Minha linda “Miss Praça XV”, apelido que o Danilo te deu, e onde te achei há 12 anos.
Parece que foi ontem.
Bendito dia aquele.
Reli tua cartinha (http://www.ficacaomigo.com/2012/05/carta-aberta-um-idiota.html
e não pude deixar de emocionar.
É muito difícil para mim não ficar triste com a tua partida, minha SANTINHA.
Foram tantos momentos maravilhosos e felizes ao teu lado.
Lembra do dia em que te levei para nadar?
Com o Look, a Luna e a Duda.
Marzão de almirante no Ribeirão, calor de 40 graus, os três se jogaram na água direto.
Estava te levando pela guia, pois notei que estavas um pouco assustada.
Entrei na água e te conduzi mar adentro.
Me acompanhaste e quanto te soltei.... pumba...foste pro fundo.
É Lola, você é o único cachorro que eu conheci que NÃO SABIA NADAR.
Afundava feito um prego.
E nas vezes em que me ajudaste com cachorrinho novo em casa. Com aqueles que choravam nas primeiras noites. Era só deixar contigo para a garantia de uma noite tranqüila e sem barulho. A babá perfeita.
E as provocações para briga, todo dia. Quem via de fora, pensava que eras uma fera, mas era só fogo de palha, para brincarmos juntas. Para ganhares um “sarrinho” nas coxinhas...kakakaka
Minha chocólatra. Fazias tudo por um doce, seja qual fosse. Sorvete então...nossa.
Nos últimos dias, te via, no teu cantinho de sempre, no sofá, velhinha, quietinha, a doença avançando sobre teu corpo.
Tu, como sempre, corajosa e determinada, nem dando bola para ela.
Teu corpinho cheio de nódulos externos e tu fazendo brincadeira com a gente.
Era como uma volta no tempo.
Há doze anos eu te acariciava todos os dias com um algodão para livrar teu corpo da sarna. Nas últimas semanas eu fazia o mesmo, para cuidar das tuas lesões na pele, em razão do maldito câncer.
Lembras o que eu te prometi no dia em que te tirei da Praça XV?
Eu te disse que eu nunca, NUNCA, iria te deixar sofrer de novo.
Eu te jurei que não sentirias mais frio, fome, dor ou abandono.
Eu acho que falhei contigo hoje. Não pude te livrar do sofrimento.
Nem pude estar contigo na hora da despedida.
Mas fico muito feliz que estavas no teu sofá, teu cantinho, TEU LUGAR, com o Danilo e a Kaká.
Queria poder ter te dito mais uma vez: EU TE AMO.
Lolinha, só me resta dizer uma coisa:
Vende-se um sofá.
De couro, em ótimo estado, com um só defeito: tem uma presença nele.
A tua.
Eterna.
Segue em paz e até qualquer dia minha filhinha.
Da mãe que te ama e vai te amar sempre
Tania