segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Desabafo. É justo isso?

Hoje eu estava meio indignada com algumas posturas que incomodam bastante qualquer ser humano decente e, para ajudar, no final do dia recebi uma ligação que tem virado hábito.
Todos os dias me ligam com o mesmo discurso: eu vi um cãozinho abandonado e blá blá blá...nem deixo terminar.
Por eu ter criado este BLOG, justamente para conscientizar pessoas sobre as dificuldades deste VOLUNTARIADO, há pessoas que acham que eu sou uma  ONG e,  pior, que ONG de animais têm dinheiro, ou que o BLOG dá dinheiro, sei lá que fantasias fazem!😡 Eu não conheço nenhuma ONG,  por aqui, que receba verbas públicas! Acredito que TODAS vivem da boa vontade dos voluntários e de doações, assim como todos os protetores independentes da ilha. 
Desta forma, escrevi um desabafo no Facebook que rendeu centenas de curtidas e comentários e, por este motivo,  acho que merece estar no BLOG. Leiam?  
Eis o texto que coloquei no face:

Você teria coragem de ligar para quem você nunca viu para pedir que pagasse uma conta sua, uma roupa, uma compra qualquer, algo do gênero? Então... os gastos oriundos do resgate de um animal são enormes e passar adiante não faz de vc uma pessoa melhor. VOCÊ TAMBÉM pode ajudar, sabe?  Estou incomodada pois tá virando moda!  TODOS os dias me ligam ou mandam email, sinalizando onde tem  um cão  abandonado pela cidade, para EU IR RESGATAR!!! Pode?  NÃO tenho abrigo de animais e NÃO sou "poder público", que também NÃO PEGA os de rua!! 
Eu recolho os que eu vejo e estão no meu caminho pois me sensibilizo e ASSUMO o animal ou consigo ajudas (RARAS!)  e AJUDO todo mundo a doar, divulgando aqui no BLOG e nas redes sociais.  Eu não sou cega. Também vejo cães na rua e NÃO tenho como pegar TODOS eles...nem o CCZ tem...são milhares! As pessoas NÃO castram (por que??)... Mas podem me ligar a vontade - MESMO!-  para oferecer ração, ou para pedir instruções de COMO ajudar, se você de fato quer ajudar o animal ou se você já ajudou alguma vez.  Eu ENSINO COMO VOCÊ pode fazer o que eu faço.  Justo, não?

Gastos básicos de um resgate

Quem você acha que paga?


Consulta veterinária;
banho e/ou tosa;
exame de sangue;
vermífugos;
vacinas;
castração;
ho$pedagem;
coleira+guia+plaquinha de identificação;
ração de boa qualidade ... 


Isso se estiver bem de saúde!
Calcule? Obrigada!


Mas sou obrigada a avisar: AJUDE quem você conhece pessoalmente ou saiba do trabalho há tempo  e faça questão de VISITAR os animais RESGATADOS desta pessoa pois tem quem use fotos de casos de outras pessoas e faça alarde para conseguir recursos financeiros, sem jamais recolher nenhum, mesmo que estejam morrendo na sua frente! Desconfie de quem só pede dinheiro e vive passando a conta bancária para depósitos...Os famosos aproveitadores da causa animal. Existem sim, mas são poucos, mas não seja vítima de um. 
Além de ração, roupinhas, vacinas, pagamento de ho$pedagens e castração, contribua doando artigos para brechós. São vários. Todo mundo colabora com instituições de caridade que, normalmente, já recebem MUITA coisa. Seja diferente!



O cartaz abaixo Denise Dechen mandou para mim, depois de ler meu post. E ainda me desenhou, amei! 


19 comentários:

  1. Perfeito, amiga. Vou repassar.
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  2. Annita..... perfeito
    Muitas pessoas infelizmente acham que se avisarem, fizeram sua parte. Mas avisar a quem? Avisar pessoas comuns que se responabilizam com drecursos proprios para bancar as despesasalem de toda disponibilidade?

    Teu trabalho VOLUNTARIO faz muita diferença, resgatando, cuidando, divulgando, escrevendo!!! é bom esclarecer que é "voluntario", pois qd falamos em trabalho há os que vao entender que a responsabilidade é tua!!

    Parabens Annita
    Beijuuu
    Jussara Medeiros

    ResponderExcluir
  3. Belo texto! O ser humano tem medo de passar trabalho. Acho que isso já é cultural, a maioria não quer ajudar pra não se desgastar ou tem outras prioridades, não temos cultura de altruísmo. Isso enfraquece nossa espécie. Adorei teu texto, Annita! Parabéns!!!
    Andréia Cavaglieri

    ResponderExcluir
  4. É estimado que Florianópolis tenha 1,6 cão por pessoa. É mais cachorro que gente!
    Se cada um fizesse sua parte... eu sei que nem todos podem pegar, mas sempre podemos colaborar doando, tem tantas pessoas maravilhosas nessa ilha que resgatam e deixam de comer pra ajudar os bichinhos. Eu admiro muito isso :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Andréia. Seus lindos cartazes ajudam muito na adoção dos nossos "anjos com asas nas orelhas!" Bx

      Excluir
  5. rosa elisa villanueva5 de setembro de 2012 09:37

    Essas pessoas que fotografam apenas ou se especializaram em repassar pedidos criam uma sobrecarga enorme para nós, que carregamos a causa nas costas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pior é quando a gente se sente responsável pois há pessoas com poder imenso de manipulação.

      Excluir
  6. Dúvido, e muito, que muita gente não tenha se identificado no texto.. E nas duas pontas, daqueles que recebem as ligações e daqueles que passam o número da conta bancária..
    E, por favor gente.
    Quem deixa de comer para ajudar bichos não precisa de admiração e sim de tratamento, ok ?

    ResponderExcluir
  7. Bravíssimo!!!!
    Isso acontece aos montes comigo, e aumentou quando mudei para sítio. As pessoas acham que por ter espaço, tenho a "obrigação" de pegar os animais que elas acham na rua; além dos mais de 30 animais que já resgatei e cuido.
    É muita folga mesmo!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As pessoas esquecem que, mesmo tendo espaço, para cuidar bem mesmo, eles precisam de atenção e carinho também. Raras pessoas podem cuidar de muitos animais. Eu nem acho saudável, a menos que viva para isso, apenas e com seus próprios recursos.

      Excluir
  8. O texto é fantástico Fica Cãomigo, e além de objetivo, extremamente claro. Não é possível que alguém se sinta pessoalmente atacado ou defendido por ele. É uma constatação que quase todos os amigos que tentam ajudar fazem diariamente, explicam diariamente, mas poucos querem entender. Temos apenas que agradecer que vcs conseguiram de forma educada, correta, direta , explicar.......Ajudar quem precisa é o máximo, sempre que possível é sensacional. A cobrança é que é mortal. E algumas vezes a falta de educação, claro. Mas é isso aí que o texto coloca muito bem. Há limite, há inclusive a opção. Eu não sou cega, vejo e ajudo os que estão no meu caminho. E cada um que quer, deveria fazer o mesmo...... ou não. Não julgo quem vê e não faz nada. Mas não quero ser cobrada ou julgada.......Susan Maciel Martins

    ResponderExcluir
  9. Finalmente o grupo de quem atua e não discursa pode se unir e se manifestar... os "cães" vão ladrar. Mas gente séria e consciente não cala a boca por intimidações.
    Recentemente me dispus a atender uma denúncia em Santos, de captura de cães para consumo como alimento. Acreditam que disseram que eu queria ser invasiva e chata por insistir em ir lá? Exigir mais detalhes? Querer levar a polícia? E ainda por cima a pessoa ligou no meu trabalho tentando me intimidar por lá... Deste tipo de gente que ganha audiência dizendo que ninguém faz nada, encaminha os problemas, e recolhe dinheiro e "likes" pra orgulho e consumo próprio - e AINDA SE DIZ "ATIVISTA"! Arf!!! Heidi Ponge

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa Heidi, este tipo de caso é para denunciar no Ministério Público pois exige averiguação. Boa sorte!

      Excluir
  10. Parabéns pelo artigo, é exatamente como se sente alguém que recolhe e sustenta seus animais em silêncio e ainda é cobrado por não recolher os animais encontrados pelos outros. O texto é claro e objetivo. Lava a alma da gente.

    ResponderExcluir

Bem vindo (a) ao sistema de comentários do Blog Ficacãomigo.
Todo e qualquer texto publicado é de exclusiva e integral responsabilidade de quem o fez, uma vez que publicamos textos de terceiros, cuja fonte sempre é citada. Os de autoria da proprietária do BLOG não contém fonte. Em caso de abuso ou crime, reservamo-nos o direito de usar os dados disponíveis no servidor para rastrear. a autoria e acionar os meios legais competentes.