quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Sobre cães em correntes

Os tempos mudam. Ainda bem. E o entendimento sobre todas as formas de vida também. O que era aceito há anos, com o conhecimento, passou a ser visto como é, de fato: crueldade e sadismo. Ninguém PRECISA ter um animal se não se dispõe a cuidar. O mesmo digo para filhos. Se for ter, trate com dignidade e respeito. Jamais aprisione um ser vivo, de nenhuma maneira! Sejamos humanos!
O desabafo abaixo eu li no Face Book. Achei tão sincero e expressou tão bem o que eu sempre digo que perguntei se poderia divulgar. Permitiram. Então leiam o texto abaixo, escrito por "Felícia Pet Lover" de Caxias do Sul/RS. Felicia Pet Lover é uma marca, onde duas pessoas trabalham, Fernanda Catusso e Adriana Brandãodesde resgate de animais, adoção e confecção de produtos. Vamos ao desabafo, perfeito:

Felicia PetLover
18 de Agosto
Viemos dividir com vocês um caso que aconteceu hoje. Este carinha da foto foi doado há um mês, é um dos bebês da ninhada de 9 que encontramos em uma caixa. Passei na casa do adotante e vi aquele filhote que cuidamos com todo amor e carinho, que ainda não tem as 3 doses de vacina, que a pessoa concordou em manter dentro de casa e nunca prender, preso em uma corrente numa casinha 
do lado de fora. Pegamos de volta e está morando aqui no "Reino"  novamente. Essa é a maior falta de respeito que um adotante pode ter com nosso trabalho. O termo de adoção é bem claro e especificado que os adotados NUNCA podem ficar presos em corrente, e poxa vida, é só um bebê!!!! A dona da casa alegou que ele morde e por isso fica a maior parte do tempo acorrentado. É só um bebê!!!!! Mais fácil jogar pra fora da casa que educar um filhote, né? A liberdade é o bem mais precioso de um animal, quem os ama verdadeiramente entende nossa revolta, lutamos e batemos nessa tecla incansavelmente. Se nós nos dedicamos e temos todo trabalho para mantê-los soltos enquanto estão sob nossa responsabilidade, seria muito mais fácil amarrar um em cada casinha, o mínimo que esperamos de quem leva um de nossos tesouros pra casa é que continue nosso trabalha da mesma forma ou melhor. Nada revolta mais que correntes, nada é mais desrespeitoso, nada nos deixa mais com a sensação de ter nossa dedicação jogada no lixo. Nosso trabalho não termina quando a adoção se concretiza. Monitorar e pegar de volta quantas vezes for preciso, até achar a família perfeita, também faz parte. Mas quem sofre no meio dessa confusão toda são sempre eles, os animais. 
Equipe Felicia Pet Lover, Caxias do Sul- RS