quinta-feira, 19 de abril de 2012

Da série CÃES DE RAÇA abandonados = MALTÊS

Meus vizinhos, quando a viram, comentaram: - "Nunca imaginamos que isso  poderia acontecer! ” mas acontece, e MUITO! Por isso escrevo sobre um dos meus casos mais recentes, a DEMY.

O caso da DEMY não foi bem abandono, mas considerando o estado em que ela estava, podemos considerar que sim. A história dela começou bem feliz, imagino, como muitos cachorrinhos de raça. Sua "dona" foi até um criador e pagou R$ 1.500,00 -  Mil e quinhentos reais!!! e a levou. Simples assim. 

Não sei o que aconteceu no meio do caminho e não me cabe julgar, mas quem comprou a Demy não pode ou não quis  ficar com ela, o que acontece com MUITOS cachorros comprados. A pessoa compra porque são bonitinhos, fofinhos, pequeninhos, não pensa que serão pelo menos 15 anos de cuidados diários, atenção, carinho e gastos. 


Então,  com um ano,  Demy  saiu de seu apto e foi doada para o porteiro do prédio. Doar cachorro de raça é fácil, tão fácil que em 5 dias comigo ela já tinha 3 pretendentes e isso que nem divulguei... Quem não vai querer um bichinho lindo, pequeninho e  fofo? Acontece que um cão de raça é mais frágil, de tudo, e  necessita de mais cuidados. Ração especial, tosa, remédios, e tudo isso representa muitos gastos. Sem isso e não ficam tão atraentes assim.

A primeira dona achou que a Demy estaria bem com a nova família. Não sabia que eles também iriam querer passá-la adiante. Na verdade é exatamente o que eu digo: - se você, que pegou bebezinho, não educou e não aguentou, por que outras pessoas o farão? 

Demy, com 2 anos estava magérrima, pelos caindo, infestada de carrapatos e pulgas.  A pele toda vermelha e cheia de feridas. Isso sem contar com o estresse emocional da pobrezinha, sendo passada de um lado para o outro. Animais também têm sentimentos, eles se apegam. Gostam de alguém tanto quanto nós, ou mais,  e pior, não entendem porque são mandados embora.
  
Histórias como a da Demy são muito comuns, só que, muitas vezes, nem chegam até nós. Esses bichinhos acabam sendo abandonados na rua ou se perdem e morrem facilmente, por serem tão frágeis e inexperientes. A morte as vezes é uma opção melhor do que ficarem  confinados num cubículo imundo procriando até a exaustão, em áreas internas, longe das vistas das pessoas que poderiam salvá-los. 


Quem vende um animal não se preocupa se quem está comprando realmente vai cuidar. Um cão, gato, coelho ou qualquer outro bicho deve ser tratado e cuidado com respeito a sua saúde física e psicológica. É uma vida. Não é um presente e não foi feito para ser brinquedo de criança. É um ser vivo que sente frio,  fome,  medo e solidão. Pense muito antes de adquirir um animal, por favor. E, se resolver doar algum, ao menos castre antes. E isso foi a única coisa que salvou a DEMY = ter sido castrada.  Castrando acaba o  jogo de empurra-empurra e assim ela acabou na minha mão e eu espero te-la doado bem. Sim, claro, já foi adotada, por uma pessoa que já adotou um SRD, um dos meus critérios!  O  exame de sangue que mandei fazer revelou plaquetas baixas, sugerindo ERLIQUIOSE ou, como é conhecida,  a famosa "doença do carrapato".   Doença silenciosa que acaba com os glóbulos vermelhos, causa anemia profunda e falência dos órgãos, matando, em silêncio e sem piedade.


Seus pelos antes da tosa...
Já sem nós e livre de parasitas.


É....A Demy foi salva... mas e os outros?