domingo, 13 de janeiro de 2019

Novos cartazes de lindos cães para adoção

Se você se apaixonar por algum deles e puder cuidar para sempre, e não até quando .... , entre em contato com os fones dos cartazes.
Por favor, ajude na divulgação? Grata.






sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

Meu lindo Fred

Este ano faz 10 anos que Fred foi resgatado, com muita sarna, medos, anemia etc (foto ao lado). Calculo que tivesse uns 2 anos, na época.
Nunca foi adotado. Cães caramelos mofam nos abrigos, tão ou mais rejeitados que os pretinhos básicos.
Segue na ho$pedagem, que já é sua casa, naturalmente. Tia Sônia cuida dele e de seu ouvido, sempre com algum problema.
Cães e pessoas têm problemas semelhantes. 
Fred já fez até cirurgia, mas tem propensão a inflamações de ouvido, tadinho. 
No mais, é aquele cão amigão que muita protetora em Floripa conhece. Um anjo fofo, dócil, querido e inteligente. Continua tranquilo, mesmo sendo  agora um "idosinho", só que ninguém diz, continua e vai ser sempre ativo e feliz. Mais folgado que nunca. Amoooooo
Feliz ano novo pessoAU. 
Que todos, humanos e animais,  tenham muita saúde e amor!




 
Fotos by Sônia Maria





segunda-feira, 31 de dezembro de 2018

Feliz Ano Novo e cartazes de conscientização para este período

O ano está acabando. Último dia. 








Como sempre, muuuitos pet`s precisando da gente. A novidade foram os gatos na minha vida, mais que cães. Continuo ajudando como madrinha, divugando cães para adoção nas redes sociais e blog ou, como sempre falo, os que cruzam meu caminho.

A novidade do ano foi a volta da CANDY, depois de 4 ANOS adotada. Agora é mais uma integrante da nossa família, pela idade e pelo que ela já passou nesta curta vida dela.







Coisas da vida de protetores, lidar com o desamor e irresponsabilidade humana. 
Como diz uma amiga minha, muito  querida, cada um - cada um



Fica a esperança de um ano melhor, apesar do retorno da venda de filhotes em vitrines em Floripa, mas vamos seguir lutando para que as lojas revejam suas posturas.
No reino Unido já é PROIBIDA a venda de animais e por aqui esse retrocesso. Bem que a gente podia evoluir menos lentamente, né?
De qualquer modo tenho muito que agradecer, sempre. 
Fiquem bem, com saúde e amor!

Um lindo 2019 para todos!




sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

Identifique seu pet!

SUPER IMPORTANTE, pois muitos fogem com medo dos fogos desta época. Não deixem seus cães com enforcadores!



quinta-feira, 27 de dezembro de 2018

Peço desculpa.

Peço desculpa, mas o sinal da NET anda péssimo em Floripa, impedindo que eu escreva por aqui. Espero que tenham tido um lindo Natal e que em 2019 eu possa escrever quando quiser e não quando e se houver sinal de internet.



domingo, 9 de dezembro de 2018

Nossa homenagem à Manchinha


Pertinente o poema abaixo.
Sem mais, sinto muito, tanto, tanto...   


Fica em paz, anjo!


Eis um link para o assassinato que chocou o mundo - clique MANCHINHA.









"É comum ouvir críticas a quem trata cachorro como se fosse gente. Concordo. Plenamente. 

Cachorro é cachorro, gente é gente.
Cachorro tem que ser tratado como cachorro – com respeito à sua fidelidade, ao seu caráter.
Porque cachorro não trai. Não mente.

Cachorro te ama pelo que você é, seja lá quem você for: ministro do Supremo, senador ou indigente. Cachorro não finge, não forja, não frauda. 
Cachorro só sabe o que sente.
Passa fome ao seu lado – e se não acha bonito não ter o que comer,
pelo menos não te chama de traste inútil, perdedor ou incompetente. Nem te dá uma pata na bunda e te troca por alguém mais atraente.


Cachorro não faz jogo de cena. Não guarda mágoa. Cachorro é emocionalmente inteligente. Perdoa sem que você tenha que implorar perdão. E, uma vez perdoado, o perdão é permanente.
Por que haveríamos de tratar um ser assim como se fosse gente?
Gente a gente também não deve tratar como cachorro. Porque não é qualquer um que merece carinho na barriga, cafuné na orelha, demonstração de amor sem motivo aparente.
Tirando o Mike Tyson, o Suárez e nós mesmos na hora do amor, gente não morde. Mas há outras formas de se cravar o dente.
No coração, no bolso, na alma. Por vezes com veneno de serpente. Gente fofoca, inveja, calunia. Te beija enquanto te entrega, e te odeia, sorridente.
Cachorro obedece, respeita, se submete. Mas só gente é subserviente. Gente ama com ressalvas, faz promessas que não cumpre. Só cachorro (e uma ou outra mãe) é que ama incondicionalmente.

Por que tratar como cachorro - que fica ao seu lado até a morte - alguém que te abandona de repente?
Não. É totalmente sem noção e incoerente tratar gente como se fosse cachorro - e tratar cachorro como se fosse gente. "

(Poema de de Sidney Eduardo Affonso, colunista) 




segunda-feira, 26 de novembro de 2018

UMA HISTÓRIA DE AMOR VERDADEIRO e alguns abandonam. Por que?




Lindo relato. Recebi esta história pelo whatsapp, sem fonte. Adorei e compartilho. Copiei como recebi. Merece registro, pelo empenho e amor. Parabéns ao casal!

"Em agosto desse ano eu e meu namorado decidimos tirar ferias na Argentina. No nosso segundo dia em Buenos Aires tínhamos planejado visitar o estádio do Boca Juniors, mas haviam muitas manifestações e as ruas onde normalmente passava o ônibus estavam interditadas. A atendente do hotel nos aconselhou adiar o passeio, então decidimos dar uma olhada na manifestação. No caminho encontramos um cachorro abandonado e paramos para fazer carinho (como fazemos normalmente). Ele deitou no chão e ficou de barriga para cima pedindo por mais carinho. Ele era amigável e carinhoso mas tinha um ar triste e sombrio no olhar. Era de médio porte, castrado, parecia sem raça definida e tinha marcas de arranhões nos rosto. Meu namorado ficou insistindo para irmos logo, então nos despedimos e seguimos nosso caminho. Dois quarteirões depois nos demos conta que ele nos acompanhava. Entramos numa das manifestações que passava, para tentar despistá-lo e corremos sem ele perceber, mas de longe vimos como ficou desnorteado e não resistimos a correr de volta ao seu encontro.
Nesse momento ele pulou como se reencontrasse os donos perdidos. Algumas horas depois já tínhamos lhe dado nome, coleira, comida e água e pesquisávamos sobre como levá-lo ao Brasil. Fomos num veterinário que disse de má vontade que o processo seria complicado e burocrático demais, não valia a pena e era melhor levá-lo a um abrigo. Mas não conseguimos desistir dele. Fomos ao hotel perguntar se ele poderia ficar no quarto com a gente, mas o tamanho não permitiria, então instalei o aplicativo chamado DogHero para encontrar uma anfitriã que ficasse com ele por alguns dias, e contamos a ela a história. Ela concordou em ficar com ele mesmo sem vacinas, sem ração e sem data definida para o fim da estada. Então ele ficou com a anfitriã pelos dias seguintes enquanto demos continuidade ao nosso roteiro da viagem. Voltamos ao Brasil e ele continuava na casa da anfitriã que ficou com ele de boa vontade por todo o tempo enquanto passamos semanas pesquisando métodos de trazer ele para nosso país. Pensamos em desistir varias vezes, mas sempre que lembravamos dos nossos poucos momentos juntos, nos dava força pra continuar. O processo começou e transferimos dinheiro para a anfitriã ir ao veterinário e dar as devidas vacinas, desparasitação, emitir um certificado dar um banho e comprar ração. Se seguiram quase 4 meses de pesquisas e descobrimos que a burocracia de transportar um cachorro de avião é um inferno. Tinha o problema do peso, a questão de ser considerado raça de risco (tem mistura com Pitbull), de não poder viajar sem acompanhante. Consideramos buscá-lo de carro mas faltava tempo e disponibilidade. Já estávamos em novembro quando a anfitriã nos disse que o proprietário do apartamento dela ia mudar as regras do prédio e não seria mais possível ter cachorros no apartamento. Então finalmente descobrimos uma empresa chamada Taxi Dog que fazia transporte de cachorros pelo Brasil. Entramos em contato com eles que ficaram sensibilizados com a história e decidiram nos ajudar e ir busca-lo em Buenos Aires. E o melhor: a DogHero, que nos ajudou com o processo e estava pagando as diárias na casa da anfitriã esse tempo todo, se comprometeu a arcar com grande parte dos custos do transporte.
Depois de muitos contratempos durante a viagem (eles saíram do RJ foram em Buenos Aires e voltaram ao RJ de carro), ontem 16/11/2018 ele chegou ao Brasil!
O nome que escolhemos é de um escritor cubano, autor de um livro chamado "O Homem Que Amava os Cachorros". Não sabemos se fomos nós que o escolhemos ou se foi ele que nos escolheu, mas agora ele é nosso e passará o resto dos anos debaixo do nosso teto.
Essa é a historia do nosso cachorro argentino, um perro que apareceu nas nossas vidas de paraquedas e nos seduziu. Ele não tem mais o ar triste e sombrio de quando o encontramos na Praça do Congresso; foi substituído por uma postura altiva e imponente que terá a partir de agora.
Essa é a historia de Leonardo Padura.
Essa é a historia de Leo.
Gostaria de agradecer a melhor anfitriã do Doghero Kysbel Gonzalez e dizer que te esperamos aqui no RJ para rever o Leo!
Gostaria de agradecer a melhor empresa de serviços para cães DogHero e dizer que vocês foram essenciais para tudo isso poder acontecer!
Gostaria de agradecer a melhor empresa de transportes de cães Taxidogexclusive que foram cuidadosos com nosso perro, que foram incansáveis durante todos os percalços dessa longa viagem!"










domingo, 25 de novembro de 2018

Nossa família canina.

TODOS foram retirados de maus tratos ou de situação de abandono. FionaMomosa eram de acumuladores de animais.
Angelina, de criadores clandestinos. Os demais estavam na rua, desnutridos, com sarna etc, enfim, a
bandonados.

Para adotar os 4 acima, mande whatsapp para 48.999619169.
Repare na cor caramelo dos que não foram adotados. Tanto quanto os pretinhos, são os que mais demoram a conseguir uma família.
Opte por um cão caramelo
💖