segunda-feira, 23 de março de 2015

Os irmãos inseparáveis e sua linda amizade (um deles é cego)

 Esses filhotões (não, você não está tendo visão dupla, eles são iguais, na primeira olhada!) se chamam 
PACO & JUAN.
 Nome de dupla sertaneja argentina, mas foram resgatados em Floripa mesmo, pela incansável protetora Kátia Carlota Pimentel, que tem um coração maior que ela. Chovia a cântaros, num dia de fevereiro e ela viu esses anjos encharcados, no meio da estrada (de barro). Um parecia feliz e o outro grudado e empurrando o "felizinho". Kátia, mesmo sem poder resgatar - ela já tem mais de 60 animais - colocou os dois no carro e foi para sua casa, no meio da tempestade, arrumar local para abrigar os maninhos. Nesta hora ela me ligou, aos prantos. Me comprometi com a castração dos caramelos, mas é claro que eles precisam de mais que isso (ainda quero escrever sobre cães dessa cor específica). Se cada um contribuisse um pouco facilitaria para quem,  VOLUNTARIAMENTE = de graça,  ajuda os animais. No dia seguinte ela os levou ao médico veterinário pois achou um deles com o comportamento estranho, e também pela chuva que pegaram, tinham que ser examinados. Laudo? O mais feliz, talvez por ser alheio ao que lhes havia acontecido - abandonados em local ermo - é cego. Totalmente. E isso explica o comportamento protetor do irmão. Não é incrível como um cãozinho se torna protetor de outro? Que ser evoluído é esse, que deixa de comer, para que o ceguinho coma primeiro, que mostra o terreno, que impede que o outro bata em tudo, que ensina, protege e coloca o IRMÃO, no sentido mais puro da palavra, acima de seus interesses? Na natureza há vários casos de amizades protetoras entre animais, e esta é mais uma. Eles não tripudiam os mais fracos, é muito emocionante. A Kátia chorou quando viu os dois e ainda chora observando o amor deles. E é de chorar mesmo. Ainda mais por serem filhotes! Por isso deverão permanecer UNIDOS, como o universo deseja e eles também. Sabemos que adoções conjuntas são raras, mas exceto pelos olhos de um, eles são perfeitos e saudáveis. Brincam muito, têm essa cara de quem está de bem com a vida, mas já conhecem o abandono, o descaso, a falta de humanidade de um monstro que teve a coragem de os abandonar a própria sorte. Não foi por acaso que a Kátia os encontrou, mesmo num caminho que ela NUNCA havia passado, completamente fora de sua rota diária. Acredito que exista, neste mundo lindo, uma pessoa que adote os dois, para que a gente possa ter esperança na nossa raça humana. O que pedimos? ADOTANTE responsável, que acompanhe a amizade deles, que possa registrar os momentos dos dois, por tudo que eles ENSINAM para a gente. Divulguem, por favor? E a Kátia precisa de ração, sempre. Obrigada.




sexta-feira, 20 de março de 2015

Sobre "pontos" de abandonos.

Adorei este resumo. Sempre falo para quem resgata não falar ONDE pegou. Triste, mas temos que omitir alguns dados por segurança mesmo e para evitar abandonos. 

terça-feira, 17 de março de 2015

As meninas estão chiques!

Belinha (novo nome da Sara) e  Maricota já têm sua carteira de vacina customizada lindamente pela querida protetora Tina Laus, que é muito caprichosa. Tudo para que nossos anjos continuem sendo tratados com o respeito que merecem. Adorei. Uma mais linda que a outra, obrigada!
         Belinha já tem uma adotante que está aguardando a chegada dela.



quarta-feira, 11 de março de 2015

MEG, a segunda adotada da ninhada de outubro




Este bebezinho lindo, acima,  é a MEG. A única fêmea que sobreviveu da ninhada, por ser a mais esperta, sem nenhuma dúvida! Reparem o olhar que transmite uma energia impressionante para uma bebezinha. Enquanto todos dormiam, ela andava pela minha área de serviço, explorando cada cantinho. Há muita diferença de temperamento de filhotes, mesmo da mesma ninhada. Parece que nascem com uma personalidade própria. Ela veio dotada de inteligência, curiosidade, felicidade e esperança. Sempre foi destemida e afoita, desde seus primeiros dias. Encara a gente firmemente e conquista. Achei que seria difícil doá-la, por ela ser tão cheia de energia... Precisava de uma família que pudesse adestrá-la ou ser firme com ela - E achou! Hoje tem aulas com a Emmanuelle Moraes, educadora canina, tem plano em Pet Shop e todos são apaixonados por essa criaturinha ligada no 220w! Kátia a conheceu ainda no meu apto, antes dela ter dois meses, e se apaixonou. Como ela mora onde eu passo o verão, foi uma adoção aos poucos. Sua adotante a pegava todos os dias em horários que não atrapalhassem a hora das mamadas. Muito lindas as duas! Avisei de sua personalidade destemida e hiper ativa, mas isso não impediu que o amor entre elas crescesse. Kátia tem paciência! Uma coisa é certa: Mesmo sendo tão "pestinha",  MEG sempre soube se fazer amar. Encarava a gente e desarmava. Fofa mesmo. Agradeço à Kátia Curti pela adoção e carinho. Tão bom conhecer pessoas assim! Sejam felizes, prá sempre.
     Com Juliana Sell conhecendo piscina, já que na sua casa tem uma e com seu maninho, Bolinha



Fazendo caras e bocas, no dia da adoção de fato, mostrando a plaquinha de ID que todo cão deve usar.

Sua mammy querida, Kátia Curti.
Estas 4 fotos, com bandana e plaquinha de ID, bem linda,  foram clicadas no dia em que foi entregue para sua querida tutora. As fotos abaixo, ja em sua nova casa, toda feliz, cheia dos brinquedinhos. Feitas uma para a outra!
No "seu"quintal, com seus brinquedinhos. Mimada a mocinha!

terça-feira, 10 de março de 2015

Saúde Animal = MEGAESÔFAGO



Semana passada a Penélope, esta linda cadelinha ao lado, resgatada pela Kátia Carlota Pimentel e cuidada por mim, desde 2012, teve que ser internada pois não engolia nada e só vomitava. Ela voltou para a Kátia em dezembro, depois que ela se mudou. Bem, ela me ligou desesperada com o quadro, até então sem diagnóstico. Assim, fomos na Clínica dos meus cães onde a veterinária verificou, após exames, tratar-se de MEGAESOFAGO. Eu nunca tinha ouvido falar nisso, e olha que já vi muitas doenças caninas! Tratei de estudar a respeito. É uma doença muito desconfortante para o animal. Depois da internação ela deu uma melhorada.  Fato é que deu muita agonia ve-la com fome, sem poder comer nada...Kátia está com ela e eu estou providenciando o tratamento e cadeira, tudo que ela precisar para ter uma vida digna, sem dores e praticamente normal. A princípio esta doença não tem cura, mas dá para viver, com alguns cuidados. O ideal era que ela tivesse alguém que a adotasse, para ela ser filha única, pois só pode tomar água sob supervisão e, quem tem outros, sempre deixa a vontade, o que no caso dela pode ser fatal, pois pode ir para o pulmão e complicar ainda mais o quadro. Compartilho com vocês minha pesquisa, com o que achei ser o melhor link sobre o assunto, pois também ensina como fazer as cadeiras necessárias para alimentar o cãozinho.
O texto abaixo foi copiado, na íntegra, DAQUI.

Megaesôfago

O que isso significa para o meu cão?
Você acaba de saber que seu cão tem megaesôfago (algo que você nunca ouviu falar), e provavelmente você está se sentindo sobrecarregado e com medo. Seu veterinário explicou o que é o megaesôfago, mas para onde ir a partir daqui e como ajudar seu cão a manter uma boa qualidade de vida parece incerto. Tenha certeza de que megaesôfago não é uma sentença de morte e que o seu cão pode levar uma vida normal, com algumas adaptações. 

Muitos outros cães estão na mesma condição que seu cão está agora. De fato, há um grupo de donos de cães lidando com a mesma condição com seus cães e os membros da família estão disponíveis para ajudá-lo a toda hora. Este grupo tem conhecimento e experiência com o acompanhamento / assistência a gestão diária dos cães com megaesôfago. O propósito deste post é para compartilhar com você as informações valiosas que o nosso grupo tem aprendido através da experiência coletiva, ajudando-o a fornecer o melhor cuidado diário para seu cão com megaesôfago.

Nos podemos forçar bastante a importância da parceria com o seu veterinário e sempre discutir quaisquer alterações aos cuidados do seu cão com ele / ela. Afinal, os nossos veterinários têm conhecimento médico e estão familiarizado com os nossos cães individualmente e suas necessidades específicas. Abaixo, você encontrará respostas para algumas de suas perguntas iniciais sobre megaesôfago e recomendações básicas de gestão do grupo. Nós também encorajamos você a se juntar ao grupo onde você pode receber um apoio mais individualizado e sugestões. Ao compartilhar o que nós todos aprendemos através da experiência com os nossos cães, esperamos sensibilizar e dar paz de espírito e esperança para aqueles que receberam o diagnostico, "o seu cão tem megaesôfago", e isso trouce inquietude a sua alma.

O que é mega esôfago, em termos simplificados?
Megaesôfago é basicamente um esôfago dilatado ou esticado (tubo que transporta o alimento da boca ao estômago). Os músculos do esôfago que são responsáveis ​​por empurrar o alimento ao longo do esôfago  não funcionam corretamente porque os nervos que os controlam estão parcialmente ou completamente paralisados. O esôfago de um cão esta paralelo ao chão. Como os músculos do esôfago estão fracos ou não-funcionando, qualquer que seja o cão quando come ou bebe pode criar no esôfago um alongamento do esôfago e, potencialmente, criar bolsas ou bolsões. Estas bolsas coletam comida e água, onde permanecerão até que o cão consiga regurgita-los.

O que é refluxo/regurgitação? Como é que é diferente de vômito?
A regurgitação é uma ocorrência passiva. Em outras palavras, ele tende a ser um pouco inesperado e muitas vezes não há nenhum aviso de que algo está prestes a sair da boca. O cão pode latir, e você vai ouvir o "splat" de algo saindo. O cão pode arrotar e algo vai aparecer. Às vezes, um cão vai exibir sinais antes de regurgitação, tais como: andar em um círculo, recebendo um olhar sai daqui, curvando as costas, parecendo desconfortável ou confuso - como ele está tentando dar um jeito de sua área de garganta podem aparecer resíduos ao se contrair. O que sai do cão é muitas vezes alimento não digerido ou água. A regurgitação é a maneira do corpo de rejeitar tudo o que não foi para o estômago. Este pode ser um ou dois pedaços de comida ou uma grande quantidade que esta parado no esôfago e pode ser acompanhada de uma boa quantidade de muco (isto é porque o esôfago cria muco como proteção para si mesmo).

O vômito é uma ocorrência ativa. Em outras palavras, há alguma advertência de que o vômito está prestes a ocorrer. Cães geralmente sabem isso e que está prestes a acontecer e pode até correr para a porta para ir para fora ou para outra sala. Estar babando o rabo às vezes precede o vômito, o que geralmente é uma indicação de náusea. Abdômen do cão pode contrair rapidamente várias vezes e você vai ouvir o "retch". Em seguida, a totalidade do conteúdo do estômago será vomitado. O que sai do estômago do cão pode ser tanto material parcialmente digerido, ou bile (substância amarelada). Se o seu cão está vomitando pode haver um problema diferente ou adicional a considerar.

Às vezes é difícil dizer a diferença entre os dois. Mas com o tempo e observação cuidadosa de como o seu cão age de antemão, muitas vezes você pode dizer o que está acontecendo. A diferença pode parecer pequena, mas é importante saber o que está acontecendo. A regurgitação é um sintoma de megaesôfago, vômito não é (embora cães com megaesôfago possam vomitar).

Porque é que a regurgitação é um problema?
A conjugação de materiais no esôfago pode danificar ainda mais o esôfago, e pode até resultar em úlceras dolorosas ou esofagite. É importante que tudo o que entra pela boca do cão chegue ao estômago ou ele vai acomodar-se no esôfago, até que volte para fora (regurgitação). Um cão não pode prosperar a menos que o alimento atinja o seu estômago para entregar nutrientes. Quando a regurgitação ocorre também há um aumento do risco de que o cão possa aspirar materiais / inalar para os pulmões (alimentos, água, ácido do estômago, saliva, etc.) A aspiração vai para os pulmões e pode causar pneumonia por aspiração com risco de vida (AP). Apesar de seu cão pode nunca desenvolver AP, é um perigo potencial para todos os cães com megaesôfago, é algo para o qual você deve estar vigilante. Cada vez que um cão tem AP, um tecido cicatricial pode formar-se nos pulmões. Com crises de AP recorrentes, o espaço disponível para o ar pode tornar-se mais limitado, tornando a respiração mais difícil. Prevenção AP é muito importante; adaptando rotina diária do seu cão é fundamental para a prevenção. Se você suspeita que seu cão tenha aspirado, é recomendado atenção médica imediata. Administração de antibióticos é fortemente incentivado, se seu cão está mostrando sintomas de AP, porque os sintomas físicos podem preceder anormalidades de raios-x em 48 horas. Reconhecendo AP cedo, antes do pulmão / estar enfraquecido, é fundamental em cães com megaesôfago. Perda de apetite ou letargia pode ser o primeiro sintoma perceptível.

Como é que o meu cão conseguiu isso? Será que isso nunca vai embora ou vai ser curado?
Essas são as perguntas de milhões de dólares. Mega esôfago pode afetar qualquer raça e tamanho do cão. Megaesôfago pode ser congênita (herdada, possivelmente presente no nascimento), ou idiopática (causa desconhecida). Ele também pode ser secundária a outra doença. Há uma variedade de distúrbios de saúde específicas que podem causar megaesôfago. Duas das condições mais comumente visto são miastenia gravis (MG) e hipotireoidismo. Ter testes para descartar condições subjacentes dentro ou fora é recomendado porque muitos podem ser tratados, e com o tratamento do esôfago pode melhorar (e regredir sintomas). Seu veterinário será capaz de ajudar a avaliar quaisquer outros sintomas a que seu cão está exposto e podem sugerir outros testes também. Enquanto a esperança existe de que seu cão pode ser um dos sortudos cuja condição do esôfago se inverta completamente, muitos cães que têm megaesôfago vão tê-lo para o resto de suas vidas. Alguns filhotes que nascem com megaesôfago ou desenvolver-se muito cedo na vida podem superá-lo, mas não há garantias.

O que posso fazer para o meu cão?
Algumas mudanças para a rotina do seu cão vão ajudar a compensar a incapacidade do esôfago para transportar alimentos e água para o estômago.

1) Alimente e de água a seu cão na vertical. Isto significa que a coluna deve ser reta para cima e para baixo, com o cão sentado no "posição de implorar" cada vez que o cão recebe algo pela boca (alimentos, água, medicamentos, guloseimas).

 Alimentando o seu cão em comedor elevado muitas vezes não é suficiente, porque o esôfago ainda está em um ângulo e alimentos ainda podem se acumular em bolsas. Há uma variedade de meios para alimentar verticalmente. Seu veterinário deve determinar quando usar

comedor elevado para cães comedor elevado

Dependendo do grau de severidade seu veterinário pode aconselhar algum outro método,
mas na imensa maioria das vezes não substitui a cadeira pós alimentação

colar para cães

Há uma cadeira especialmente projetada chamado Bailey, que você pode construir para o seu cão. Este é altamente recomendado e com o ajuste adequado garante o seu cão está corretamente posicionado e apoiado. 

            cadeira para megaesofago             cadeira para megaesofago

Você também pode fazer o seu cão sentar-se em um travesseiro em um canto, voltado para fora, com seus / suas patas dianteiras sobre seu colo (enquanto você está sentado em uma cadeira em frente a ele / ela). Os cães menores podem ser mantidos ou mesmo apoiado verticalmente em uma embalagem balde, caixa ou até mesmo em carrinho de bebê.
cadeira para megaesofago


Faça o que fizer, não deixe o seu cão sem ter o apoio adequado para a sua coluna vertebral. Use travesseiros, toalhas, o que funcione para alcançar este objetivo. Também é importante para alimentar o seu cão lentamente e não permitir que engolir seja rapido. A mesma posição vertical é necessário para a água. Permitir que o seu cão a beber de uma bacia/pote no chão geralmente é um problema. Muitas pessoas adicionam água suficiente na comida do seu cão para evitar esse problema em potencial. Um cão geralmente necessita de gramas de água por quilo de peso corporal por dia, mais se ele é muito ativo pode necessitar de mais. Algumas pessoas usam gelatina sem sabor e fazem cubos de água para ajudar a hidratar seu cão se o líquido só, causa problemas.
          cadeira para megaesofago   cuidados no megaesofago
Preciso comprar uma cadeira de megaesôfago para poder salvar meu cão? Definitivamente não, mas certamente você terá que coloca-lo na posição de pé para fazer a digestão.

A cadeira facilita fortemente inclusive para o conforto do cão.

2) Mantenha o seu cão vertical, para um mínimo de 15-20 minutos após cada refeição. Sim, isso soa como uma trabalheira, mas a diferença que faz na saúde e na qualidade de vida do seu cão vai valer a pena. O tempo gasto em vertical permitirá que gravidade possa esvaziar qualquer coisa do esôfago para o estômago, que por sua vez ajudam a minimizar a regurgitação. Você terá que ver qual é a quantidade de tempo que funciona melhor para o seu cão. Em alguns casos, 15 minutos não é suficientemente longo, e o tempo gasto vertical deve ser aumentado. Se o seu cão tem problemas ortopédicos ou outras limitações que podem fazer ficar sentado nesta posição algo difícil, faça o melhor que puder para obter o mais vertical possível e discuta alternativas com o seu veterinário.

3) Encontre a comida e consistência certa. Os especialistas recomendam que os cães com megaesôfago devem comer uma dieta que é mais baixa em proteínas e gordura e mais rica em carboidratos. Proteínas e gorduras exigem mais ácido do estômago para a digestão. O aumento na produção de ácido pode levar a refluxo ácido, que pode resultar em queimaduras ou erosões no esófago. Os hidratos de carbono são mais leves no sistema e também adicionam calorias, o que vai ajudar o seu cão ganhar peso. Alguns cães só podem tolerar uma consistência muito líquido para a sua alimentação, enquanto outros fazem melhor com bolas de laminados de alimentos que são engolidos inteiros. Há também muitos cães que tem um meio termo como melhor opção. Você terá que encontrar o que funciona melhor para o seu cão através de tentativa e erro. Geralmente você pode começar com uma consistência milk-shake e ajuste de lá. Se a comida é muito pegajosa ou está seco ele pode aderir às paredes do esôfago e causar problemas. Isso não significa que você não pode usar ração, mas você provavelmente vai ter de moer, molhar, ou misturá-lo para obter a consistência certa.

4) Alimente em refeições menores, mais freqüentes. Aumente o espaço ingestão diária em 3-4 refeições (ou até mais) durante todo o dia, em vez de 1-2. Durante o tempo vertical, a gravidade está movendo o alimento da boca/esôfago para o estômago e não pelos  músculos do esôfago, então as coisas estão se movendo em um ritmo muito mais lento. Alimente em quantidades menores de alimentos e espere duas a três horas entre as refeições isso irá minimizar a conjugação de materiais no esôfago do seu cão e permitir ao corpo tempo para a digestão.

5) Discuta medicamentos com o seu veterinário. Enquanto não há nenhuma droga que cure megaesôfago, muitos cães devem tomar algum tipo de medicação. Seu veterinário pode sugerir uma droga chamada para evitar danos ao esôfago, revestindo-o com uma barreira protetora. Ele vai também prevenir úlceras e erosões existentes no esôfago e estômago para ajudá-los a curar. Deve ser dada uma hora antes ou duas horas após qualquer outro medicamento ou alimento, pois ele pode se ligar com outros medicamentos impedindo-os de funcionar corretamente ou se ligam com alimentos potencialmente causando um bloqueio. Inibidores de ácido também pode ser útil; muitos cães em nosso grupo ter um. Inibidores de ácido a suprimir ou bloquear a produção de ácido do estômago ajudando a prevenir o refluxo ácido que pode queimar o esôfago, criar úlceras ou ser aspirado para os pulmões. Inibidores de ácidos não são a mesma coisa como antiácidos. Há uma variedade de inibidores de ácido e um trabalho melhor dada duas vezes por dia. Seu veterinário pode ajudá-lo a decidir se os inibidores de ácido são apropriados para o seu cão e qual é o melhor. Se o seu veterinário sente que um inibidor ácido pode beneficiar o seu cão, testes regulares para níveis B-12 podem ser recomendados. Vitaminas do complexo B requerem um ambiente ácido para absorção. O uso a longo prazo de inibidores de ácido pode alterar a química do estômago, potencialmente conduzindo a uma deficiência de vitamina B. Motilidade drogas pode ajudar alguns cães movendo o alimento para fora do estômago mais rapidamente, minimizando ainda mais o refluxo do conteúdo do estômago para o esôfago. Esteja ciente de que muitos medicamentos podem ter efeitos colaterais ou interagir negativamente com outros medicamentos. É imperativo você sempre falar com o seu veterinário antes de dar o seu cão qualquer medicação.

6) Tentar fazer o seu cão dormir com seus / suas ombros e cabeça elevados. Muitos cães têm mais problemas durante a noite, ou de manhã muito cedo. Isso ocorre porque os cães muitas vezes colocam o seu plano com o nível dos corpos superior para os seus estômagos, o que pode promover o refluxo. Se você puder, obter de seu cão que se deite com ombros e cabeça em um travesseiro. Ou se o seu cão está em caixote, colocar algo em uma das extremidades do canil e incentivar o seu cão para dormir com sua cabeça no final levantada. Isso ajudará a manter o ácido do estômago, e que o alimento e a água flua de volta para o esôfago.

                                       cama inclinada para cães
                               Camas inclinadas são muitos uteis a esta permanência

Esta é uma grande quantidade de informação para digerir, para ter certeza que você está sendo completamente informado e para poder melhor agir.: Embora cada caso pode ser diferente, a experiência do grupo é que essas modificações e os cuidados diários dará aos cães com megaesôfago a melhor chance possível para viver uma vida feliz e saudável. Por favor, discuta qualquer e todas as alterações com o seu veterinário. Megaesôfago definitivamente pode ser gerenciado. Não é uma sentença de morte para o seu cão. Com diligência e algumas adaptações, o seu cão pode viver uma vida razoavelmente normal. Você pode fazer isso e seu cão será grato pela chance de uma melhor qualidade de vida. Estamos aqui para ajudar.
Compiled by: Janeen Klinkenborg, 2006 (PIPER’S MOM)
Basicamente existem dois tipos de cadeiras produzidas sob encomenda para ajudar no tratamento do megaesôfago.
                                 1- Cadeira para Alimentação
                                 2- Cadeira pós alimentação

Para Alimentação, o cão fará a alimentação na cadeira e permanece nela até fazer boa parte da digestão.
Pós alimentação, o cão fará a alimentação provavelmente no colo do dono e fará a digestão na cadeira

                 cadeira megaesofago cadeira megaesofago
Petescadas - Produz cadeiras de alimentação e de pós alimentação para todo porte de cão
desde micro até gigantes com quase 100 kilos. Para solicitar orçamento uma foto ao lado de uma cadeira e algumas medidas do cão são solicitados.

Alguns cães pelo seu porte são muito difíceis de manter seguros ou no colo para as refeições

Normalmente os cães são parceiros nesta tarefa, mas não raro existem cães que relutam em ficar em suas cadeiras e em muitos casos é necessária quase uma imobilização...
Fonte: http://www.petescadas.com.br/2014/07/miastenia-em-caes-megaesofago.html#.VP4rJPnF-TJ